Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sò o poeta vê.

Eu quero falar de detalhes
Do cotidiano da vida
Coisas tão simples e singelas
Que passam despercebidas
Uma fragil borboleta
Mas, linda bela e tão colorida
E as aguas mansas do rio
Levando uma flor caida.

Uma cigarra barulhenta
Cantando descontraida
E uma minuscula abelha
Na sua missão imbuida
E as formigas ligeiras
Que trabalham desinibidas
Um caracol solitario
Que não quer saber de corrida
Dois filhotes em um ninho
Anciosos pela comida.

Uma pequena joaninha
Na folha da margarida
E uma lagarta engraçada
Cinzenta fina e comprida
Por ser da cor da madeira
Se acha tão camuflada e escondida
Por nada, suspeita e para
Mas deixa a antena erguida.

A casa do João de barros
Estrategicamente construida
No galho de uma bela paineira
Que se destaca por estar florida
E a florzinha da laranjeira
Branca pequena e tão linda
Exalando um suave perfume
Quando a madrugada se finda.

Pequenas flores silvestres
Durante a noite invadidas
Pelo frescor do sereno
E ainda umidecidas
Com suas cores diversas
Parecem dar boas vindas
Coisas que sò um poeta vê
No meio de suas trovas perdias.


Pedro Nogueira
Enviado por Pedro Nogueira em 06/10/2006
Código do texto: T257389
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Nogueira
Campinas - São Paulo - Brasil, 63 anos
6223 textos (162994 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 10:52)
Pedro Nogueira