Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nem o poeta descreve.

Confesso que a nada se compara
Este manso sentimento sublime
Um momento de beleza tão rara
Que sem palavras mil desejos exprime.

O coração silencia e flutua
A sentir no rosto a temperatura dosada
A alma se despoja das culpas e fica nua
Mostrando no semblante a transparencia estampada.

O coração silencioso fica leve
Demontrando da felicidade a pureza
E interromper este momento não se atreve
Pois é dadiva de DEUS ,é delicadeza.

Nen o poeta consegue descrever
Com palavras a sutileza deste instante
Amaina ,traz paz e alivia o sofrer
E tudo que é nobre parece não estar distante.

É o momento que o pensamento repousa
Tendo apenas a intenção de usufruir
A própria vida parece fazer uma pausa
Para sentir o prazer de duas lagrimas cair.

Pura transparente e cristalina
Desce lentamente afagando a face
Ao alivio de uma dor se destina
É como um balsamo que a tempo a gente esperasse.
Pedro Nogueira
Enviado por Pedro Nogueira em 14/09/2007
Código do texto: T652808
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Nogueira
Campinas - São Paulo - Brasil, 64 anos
6223 textos (165308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 19:39)
Pedro Nogueira