Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tenhu medu di facão Milla! AR/MP/CL

Cumu é que ocê cumpadi//querditô nessa muié?//sô u'a moça da cidade//sô u'a peçôa de fé//e marido cum facão//só ixiste na istória//qui sua imaginação//criô assim bem na hóra//mais foi sé la falá//qui ocê já si mandô//pra bem longi num lugá//onde inté tem beja-flô//que rai de amô é essi//qui ti feiz aquerditá//qui si ocê num torcessi//pro meu timinho ganhá//eu dexava ocê pra traiz//mais issu num é verdade//êu ti amu até dimais//meu amô é leardadi//dêxa pensá o qui pensi//eu viro inté parmerensi! Eita gente fofoqueira, uai!!! Rsrsrsrsrs.... Bom fim de semana a vc, querido Poeta e grande amigo. Beijão, Milla.

(Airam Ribeiro)
Carma Milla Perêra
Nun fica fobada não!
É qui eu dô nas carrêra
Quandu veju um facão.

A muié qui min falô
Ela nun é fofoquêra
Ela inté dissi qui nóçu amô
Era coiza paçagêra.

O meu amô pur ti era leá
Intis di  aparicê o ta facão
Ci é istóra num póçu falá
Inda nun sei déça questão!...

Inté fui na sua sala
I um cara inté ti talifonô
Tonci eu perdi a fala
Tombém perdi seu amô.

Eu nun li talifonei
Pois na róça nun tem êci trem
Tonci eu imaginei
Ela devi di tê ôtru argúem!...

Ai u ciumi pariceu
I eu fui perdenu a graça
A Clara cum pena deu
Me pagô inté u’a caxaça.

Aí pariceu uns fulanu
Foi falanu u’as bestêra
Qui ocê gostava era di corintianu
I não pra quem trucia pru parmêra.

Aí tristi fui ficanu
Cum eças tanta falança
Qui cumprei logu u cortezanu
Cum u diêru das aliança.

Já qui tu num min quiria
Rizurví cê bêbedô
Inté perdi as aligria
Pru cauza dêci tristi amô.

Vô vuá pur aí afora
Só afin di incrontá
Quem sabi ni Juiz di Fora
Axu argúem pra min amá?...

(Claraluna)
Cumpadi, num si apoquente
Cum essas coisa di amô
Nóis semo bem diferente
No amô nóis querditô.

Nu fundo do coração
A mila ama ocê
Mais teim ainda o facão
Afastando vosmicê.

Pur isso ela insinua
Que vai virá parmerense
Mais pede inté para a Lua
Pra vê se o corintia vence.

Otra coisa vô dizê
Pra incerrá a questão
Milla eu gostio de ocê
Ocê é nossa paxão.
Airam Ribeiro
Enviado por Airam Ribeiro em 16/11/2007
Reeditado em 17/11/2007
Código do texto: T739688
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Airam Ribeiro
Itanhém - Bahia - Brasil, 69 anos
569 textos (39173 leituras)
21 áudios (2302 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 10:12)
Airam Ribeiro