Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUEM FINANCIA O S.U.S.?

Problemas na área de saúde vão além da falta de investimentos. É preciso, também,  melhorar a eficiência gerencial

Nas duas últimas semanas, o que se viu nos noticiários foi a informação de que os governadores do PSB, comandados pelo presidente do partido, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, defendem a volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), extinta pelo Congresso em 2007. Enquanto foi cobrada, a CPMF era a principal fonte de realocação de recursos do Governo Federal para ajudar os estados e municípios a manter os serviços oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A polêmica sobre a recriação da CPMF - ou da instituição de mais um imposto, a exemplo da Contribuição Social para a Saúde (CSS), em tramitação no Congresso desde 2008 - divide parlamentares e desagrada empresários, entidades de classe e a população, que são contra a criação de mais um tributo. Aliás, a principal alegação é de que a 'extinta' CPMF nunca ajudou a manter o SUS, porque enquanto esteve em vigência, os recursos arrecadados (algo em torno de R$ 40 bilhões) nunca foram destinados à saúde na sua totalidade. Somente 57% do imposto eram gastos com saúde. O restante era repassado para socorrer outros setores da máquina federal.

O secretário estadual de Saúde, Frederico Amâncio, diz que o governador Eduardo Campos foi mal interpretado e não defendeu a recriação da CPMF. “O que o governador defende é a discussão de novas formas de gestão e financiamento para a área de saúde. O que se quer é reunir todos os atores envolvidos, governos federal, estaduais e municipais para discutir melhorias e saídas para o setor”.

Frederico Amâncio afirma que o problema da saúde não se restringe apenas a investimentos em hospitais, equipamentos e pessoal. “Quanto mais ofertamos serviços, mais serviços novos são demandados e a procura aumenta. Os investimentos têm crescido. Estados e municípios têm aumentado os gastos na área, multiplicando os números de atendimentos e consultas e melhorando os indicadores de mortalidade infantil e de expectativa de vida da população. Mas, por outro lado, os recursos federais não chegam na mesma proporção”, queixa-se.

Essa falta de recursos federais é refletida diretamente na precariedade do atendimento nos hospitais e principalmente nas unidades de saúde dos municípios de todo o país. Não é a toa que um contingente significativo de prefeitos é favorável à volta da CPMF, preocupados com as suas necessidades específicas, afinal de contas são os municípios que devem prestar um serviço de assistência básica de boa qualidade à população.

GESTÃO

Na verdade, o SUS não precisa da CPMF ou da ajuda de qualquer outro imposto para se manter. O que necessita é de uma nova forma de gestão. "É uma visão equivocada querer resolver o problema da saúde colocando em primeiro plano a criação de impostos. A falta de recursos tem que ser discutida num contexto mais amplo, como o ajuste de gestão e a reorientação dos gastos", defende o senador eleito Armando Monteiro Neto (PTB).

"Há sim, um subfinanciamento crônico da saúde, atualmente, e a discussão sobre a recriação da CPMF ou instituição da nova CSS tem o mérito de mostrar a urgência de se identificar fontes novas para esse problema velho", afirma o deputado estadual Clodoaldo Magalhães (PTB), que é médico e preside a Comissão de Saúde e Assistência Social da Assembléia Legislativa.

SAIBA MAIS:
Era CPMF, agora poderá ser CSS

O pontapé para a rediscussão da recriação da CPMF foi dado recentemente, mas desde 2008 tramita no Congresso um projeto de lei complementar criando a Contribuição Social para a Saúde (CSS). Aliás, o projeto chegou até a ser discutido e voltado.

A CSS nada mais é do que a CPMF com uma nova roupagem. O projeto de lei prevê que o novo imposto será permanente - diferentemente do anterior  - e que os recursos arrecadados serão destinados à saúde, na sua totalidade.

A outra diferença diz respeito à alíquota. Se aprovada, a mordida no bolso do contribuinte será menor: ao invés dos 0,37% que a CPMF levava, a CSS ficará com apenas 0,1% de qualquer movimentação financeira. Os trabalhadores com renda mensal de até R$ 3,08 mil estarão isentos.

PERNAMBUCOINVESTE MAIS DE 15% EM SAÚDE

Uma das esperanças para a melhoria da assistência do SUS seria a regulamentação da Emenda Constitucional (EC) 29, que normatiza os gastos em saúde e define os montantes mínimos a serem aplicados pelas três esferas do poder. A emenda está engavetada no Congresso desde 2000.

Pela EC-29, estados e municípios têm que investir 12% e 15%, respectivamente. A União se rege por uma regra temporária, que deveria ser substituída em 2005, pelo Congresso. Mas como até hoje a emenda não foi regulamentada, o Governo Federal contribui de acordo com o aumento nominal do Produto Interno Bruto (PIB). Mesmo assim não cumpre. De acordo com o secretário estadual de Saúde, Frederico Amâncio, por enquanto, a maior parte das contas da saúde vem sendo paga apenas por estados e municípios.

A falta de regulamentação da EC deixa os outros entes livres para também não aplicar os percentuais definidos. Mas essa não é a regra e, segundo Frederico Amâncio, grande parte dos municípios aplicam percentual superior ao previsto. Com relação a Pernambuco, ele diz que é um dos cinco Estados do país que mais investem em saúde. “Em 2006 o investimento era de 13,2%, no ano seguinte elevamos para 14,3%, passando para 15% em 2008 e no ano passado chegamos a 15,8%.”

De acordo com o secretário, nos três primeiros anos da administração Eduardo Campos foram investidos em saúde 74,9% a mais do que nos quatro anos anteriores (2003/2006). Até o final deste ano, esse percentual deverá chegar a 197%. Os números da Secretaria também mostram que a despesa de investimentos de 2009 registrou um incremento de mais de 173% em relação ao melhor ano do período 2003-2006. “Neste ano de 2010, o investimento na área será 259% maior que no melhor ano do período 2003/2006”, garante. A rede de saúde do Estado tem 30 hospitais próprios e 11 UPAs. Além disso conta com a logística da rede privada credenciada.

DEPUTADOQUESTIONA DEMORA NA REGULAMENTAÇÃO DA EC-29

O deputado estadual Clodoaldo Magalhães (PTB) não entende porque, passados dez anos, a Emenda 29 ainda não foi regulamentada pelo Congresso Federal. Segundo ele, a mera regulamentação, amarrando percentuais de receita a serem investidos pelos entes da Federação, não cria receitas novas, apenas redefine responsabilidades, em especial à União, que vem simplesmente reajustando, pelo percentual de crescimento anual do PIB, o que investia em saúde desde 1999. Enquanto isso, os municípios já são obrigados, desde 2000, a investir 15% e estados, 12% das suas receitas em saúde.

O parlamentar diz que para melhorar a oferta de serviços de saúde é necessário melhorar a qualidade dos gastos, incorporar gestão aos processos de administração em saúde, reduzir desperdícios e aumentar receitas sem incremento de carga tributáia sobre o setor produtivo. "A discussão sobre a recriação da CPMF surgiu apenas para mostrar a urgência de solucionar o problema crônico de financiamento do setor", explica.

OPÇÕES
Na sua opinião, novas fontes de recursos perenes precisam ser criadas e a reforma tributária deve servir para esse fim. Em paralelo, é preciso investir na melhoria da gestão e na eficiência dos gastos. Entre as opções o deputado apresenta a taxação do capital financeiro especulativo, que vem aproveitar as altas taxas de juros do mercado brasileiro; a redução dos estímulos tributários ao consumo e a destinação de parte dos recursos de royalties do pré-sal à saúde.

Ele defende também a desoneração do investimento em saneamento, em medicamentos e em todas as áreas de prevenção em saúde; a redução da tributação sobre a folha de salários, que aliviaria o compromentimento da Receita Corrente Líquida (RCL) dos municípios, estados e da rede privada complementar ao SUS com pessoal. O investimento em prevenção também atenua, a longo prazo, a hipertrofia do modelo curativo e os gastos crescentes com saúde.
ALEXANDRE ACIOLI
Enviado por ALEXANDRE ACIOLI em 16/11/2010
Código do texto: T2618851

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Acioli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ALEXANDRE ACIOLI
Recife - Pernambuco - Brasil
53 textos (52183 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/11/14 09:07)



Rádio Poética