CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Um Estudo Contemporâneo sobre Lingüística Textual

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Lingüística textual é uma orientação possível na análise de textos.  A lingüística textual é basicamente uma criação da Europa continental, e é especialmente valorizada na Alemanha e na Holanda. Ao contrário das correntes estruturalistas, cujo foco de estudos são os aspectos formais e estruturais do texto, esta vertente concentra suas atenções no processo comunicativo estabelecido entre o autor, o leitor e o texto em um determinado contexto. A interação entre eles é que define a textualidade de um texto. Na década de 1970, um projeto pioneiro da universidade de Konstanz, na Alemanha, tentou construir uma gramática de texto explícita; o projeto pareceu não ter sucesso, e as investigações que se seguiram caracterizaram-se por uma elaboração e sofisticação maiores.

CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICO-CONCEITUAL

1.1 Estruturação prototípica

A lingüística textual faz um uso pesado dos conceitos e da terminologia lingüística corrente, e muito do que se faz nesse campo são tentativas de estender os tipos correntes de análise lingüística a unidades maiores do que a sentença. Conseqüentemente, essa orientação tem muito em comum com a abordagem que, no mundo de língua inglesa, é conhecida como discourse analysis, e alguns estudiosos que olham para as coisas de fora não conseguem ver grandes diferenças entre as duas. A orientação funcionalista chamada Lingüística sistêmica  compartilha algumas idéias importantes com a lingüística textual, mas tem uma natureza bastante diferente.
Textualidade é um conjunto de características que fazem com que um texto seja considerado como tal, e não como um amontoado de palavras e frases.
Dois blocos de sete fatores, segundo Beaugrande e Dressler, são os responsáveis pela textualidadede qualquer discurso:
Fatores semântico/formal (coerência e coesão);
Fatores pragmáticos (intencionalidade, aceitabilidade, situcionabilidade, informatividade e intertextualidade).
A Lingüística Textual (LT) começou a se desenvolver na Europa a partir do final do anos 60, sobretudo entre os anglo-germânicos, e tem se dedicado a estudar os princípios constitutivos do texto e os fatores envolvidos em sua produção e recepção. Paralelamente ao desenvolvimento dessa teoria, do final da década de 60 até nossos dias, têm se fortalecido e se ampliado, no campo da Lingüística, os estudos voltados para fenômenos que ultrapassam os limites da frase, como o texto e o discurso, e interessados menos nos produtos e mais nos processos – a enunciação, a interlocução e suas condições de produção. Parece propício, portanto, neste momento, retomar o conceito de textualidade e repensá-lo, levando em conta contribuições advindas de lugares diferentes, como a Análise do Discurso, as teorias da enunciação, a Pragmática, a Análise da Conversação, os estudos sobre a língua falada, que nos convidam a incluir no campo de nossas reflexões fenômenos antes não considerados como propriamente lingüísticos.

1.2 objetivos gerais para sua instituição:

Para atingir esse objetivo, um bom começo pode ser fazer um rápido panorama das tendências mais marcantes no interior da própria Lingüística Textual. Já em 1977, Maria-Elisabeth Conte apontou, no desenvolvimento da LT, três “momentos tipológicos”, isto é, três perspectivas de estudo, mais do que três etapas cronológicas, já que muitas reflexões e discussões ocorreram até simultaneamente, embora privilegiando enfoques e objetos diferentes.

1.2.1 O texto como processo:

A Lingüística Textual parte do pressuposto de que todo fazer (ação) é necessariamente acompanhado de processos de ordem cognitivo, de modo que o agente dispõe de modelos e tipos de operações mentais. No caso do texto, consideram-se os processos mentais de que resulta o texto, numa abordagem procedimental. De acordo com KOCH (2004) , nessa abordagem “os parceiros da comunicação possuem saberes acumulados quanto aos diversos tipos de atividades da vida social, têm conhecimentos na memória que necessitam ser ativados para que a atividade seja coroada de sucesso”. Essas atividades geram expectativas, de que resulta um projeto nas atividades de compreensão e produção do texto.

1.2.2 Caracterização discursiva-textual:

A partir da noção de que o texto constitui um processo, HEINEMANN e VIEHWEGER (1991) definem quatro grandes sistemas de conhecimento, responsáveis pelo processamento textual:
Conhecimento lingüístico: corresponde ao conhecimento do léxico e da gramática, responsável pela escolha dos termos e a organização do material lingüístico na superfície textual, inclusive dos elementos coesivos.
Conhecimento enciclopédico ou de mundo: compreende as informações armazenadas na memória de cada indivíduo. O conhecimento do mundo compreende o conhecimento declarativo, manifestado por enunciações acerca dos fatos do mundo (“O Paraná divide-se em trezentos e noventa e nove municípios”; “Santos é o maior porto da América Latina”) e o conhecimento episódico e intuitivo, adquirido através da experiência (“Não dá para encostar o dedo no ferro em brasa.”).
Ambas as formas de conhecimento são estruturadas em modelos cognitivos. Isso significa que os conceitos são organizados em blocos e formam uma rede de relações, de modo que um dado conceito sempre evoca uma série de entidades. É o caso de futebol, ao qual se associam: clubes, jogadores, uniforme, chuteira, bola, apito, arbitro... Aliás, graças a essa estruturação, o conhecimento enciclopédico transforma-se em conhecimento procedimental, que fornece instruções para agir em situações particulares e agir em situações específicas.
Conhecimento interacional: relaciona-se com a dimensão interpessoal da linguagem, ou seja, com a realização de certas ações por meio da linguagem. Divide-se em:
Conhecimento ilocucional: referentes aos meios diretos e indiretos utilizados para atingir um dado objetivo;
Conhecimento comunicacional: ligado ao anterior, relaciona-se com os meios adequados para atingir os objetivos desejados;
Conhecimento metacomunicativo: refere-se aos meios empregados para prevenir e evitar distúrbios na comunicação (procedimentos de atenuação, paráfrases, parênteses de esclarecimento, entre outros).
Conhecimento acerca de superestruturas ou modelos textuais globais: permite aos usuários reconhecer um texto como pertencente a determinado gênero ou tipo.


REFERÊNCIAS

HEINEMANN, Wolfgang e VIEHWEGER, D. Textlinguistik: eine Einführung. Tübingen: Niemeyer, 1991.

KOCH, I. G. V.Introdução à lingüística textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.


Geimes Oliveira
Enviado por Geimes Oliveira em 03/12/2007
Reeditado em 23/03/2012
Código do texto: T763320

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Geimes Oliveira
Morada Nova - Ceará - Brasil, 28 anos
89 textos (423442 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/14 21:16)