Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cartas da vida e brasileiros dramas

Carta I
Inteligência do amor


não tenha a vontade
um mister tão compulsório
que não o de gerir o peito
e se furtar ao ócio;

que convença o coração
dessa gerência informe
mas que se preze infante
e que se entregue e chore;

que abasteça o peito
de quereres mais amenos
alguma rosa profunda
algum urgente segredo;

que conspire à furto
com a razão mais latente
mais que se queira interina
numa vida permanente;

não traia o corpo
alguma chaga imprecisa
que se derrame sem jeito
pelo bolso da camisa;

antes se queira frágil
nos exercícios da vida
e se desdobre em cachoeiras
em que se caiba impreciso;

e arquitete um abraço
que não lhe saiba conciso
no limite de suas carnes
e do tamanho do infinito;

não venha o espaço
se querer tão limitado
que não comporte um amor
que caiba no teu abraço;

mas que se firme completo
nas lacunas que lhe formam
e se informe por certo
das colunas que suporta.


Carta II

a gente sempre morre
do tamanho da vida
e sobra em amores pacatos
pelo jeito da notícia


a gente sempre ama
do tamanho do abraço
e nem se sobra ileso
das marcas do que se acha.


Carta III

a noite
bóia nos meus olhos
com a mesma tecitura
com que bóia minha alma
pela rua

meu poema
não se acostuma
a ser verbo
que não se assuma
e se não se alça
a exercícios mais táticos
é que bóia também na noite
embrulhado no que acho.

a noite
bóia nos meus olhos
no gesto mesmo
de uma lágrima
feliz que nem seja tanta
verbo que se queira água


meu poema
não se escusa
de ser um verbo que sinto
e que me acusa
de tê-lo assim inteiro
nas vírgulas que se

Carta IV

meu país não obedece
a qualquer geografia


Carta V

a lágrima do riso
tem um jeito diferente
é algo assim como um rio
que não tivesse corrente


Carta VI

de cada paixão
resta o desuso
uma preguiça de amar
a longo curso
Aurélio Aquino
Enviado por Aurélio Aquino em 21/01/2006
Código do texto: T102028
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aurélio Aquino
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 64 anos
375 textos (11647 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:54)
Aurélio Aquino

Site do Escritor