Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Indagação adverbial do mar

água em sono
quem te constrange
a não te dares por rio
mas um mangue?

rio em concordata
que compreensão teria
se te fizessem credor
de alguma alegria?

teu primado
em tudo rebenta
jeito de onda morena
que meu olhar
amanhecia
jogo de homem urgente
devedor da alegria
saldo de coisa que a gente
teima em dizer
da valentia

teu primado
dá-me a compreender os olhos
como instrumento
de te fazer serventia
como flecha
que destrava o arco
nas manhãs sem garantia

teu primado
está presente
em cada onda
que cometes
num desfastio freqüente

o mar
nem bem parece
os rios que não se cruzam
das mágoas todas da gente


no teu cartório de águas
nem lavras a certidão
de que te compreendem vasto
apesar de tanto não

água que nem comentas
o que de sólido urdistes
quando em meu peito dissestes
o teu jeito de triste
quase de alguidar
quase de louça
que me truncasse a razão
no vão da boca

meu corpo
não intenta
engenho maior
que me contenha
morte que me seja tanta
Aurélio Aquino
Enviado por Aurélio Aquino em 21/01/2006
Código do texto: T102057
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aurélio Aquino
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 64 anos
375 textos (11679 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:38)
Aurélio Aquino

Site do Escritor