Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A alma ante o corpo perdido



 

Ainda retenho o peso

Do corpo de que fui esteio

A vida ainda me enrola

Como embrulhada na onda

E a razão não depara

A desopressão da mágoa

Ando perdida na busca

Vagueio como fantasma

Que ainda não acredita

Que se encontra noutra vida

Meu pobre corpo coberto

De algas, lama e entulho

Putrefacto, inabitado

Jaze onde foi engolido

Já sem os esgares do medo

Mas eu, que agora divago

Comprovo quanto é insano

E absurdo o ser humano

Eu, que a tudo pertenço

Pois sou átomo suspenso

De pavor empalideço

Subi do fundo do abismo

Fui cuspida do meu fruto

Mas precisarei de tempo

Para ser novo rebento

Re-habitar este mundo

Aonde o alimento

É tão mal distribuído

Agora, vejo o engano

Em que me forcei sem ganho

pois nada tendo, sou tudo.

 

 

 



Maria Petronilho

29/12/2004

 

 

Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 29/12/2004
Código do texto: T1023
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130184 leituras)
60 áudios (14337 audições)
9 e-livros (5064 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 17:45)
Maria Petronilho

Site do Escritor