Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Persistência

Sou cria do “35”
Onde cheguei, piazito,
Rengueando, no meu tranquito,
De marca mal descascada.
À mão do velho agarrada,
A minha tateava a História
Naquele templo de glória
Da tradição abençoada.

Ali, eu tive o prazer
De conhecer muito vaqueano.
Em tardes de minuano
Eles mateavam, charlando.
E eu, piazito, bombeando
As coisas que eles contavam,
Que tão fundo me tocavam,
Aprendia perguntando.

Muita gente, em Porto Alegre,
Naquele tempo peludo,
Ofendia o bombachudo
E a chinoca pilchada.
Diziam ser palhaçada,
Que era coisa de guaiaca.
Mas, com pouco, não se ataca
O entono da gauchada.

Surgem muitos cetegês
E a estância da poesia.
O “Grande Rodeio” reunia,
Pelo rádio, o nosso povo.
Só depois veio o retôvo
Da Califórnia Nativa.
E a Tradição se reaviva
Através de sangue novo.

Na cancha reta do tempo,
Hoje, a penca é diferente.
O gaúcho vem na frente
Cultivando o seu passado.
Mais orgulhoso e entonado
Que capataz de fronteira
Pois, hoje, a pilcha campeira
É traje oficializado.

E aí está como exemplo
Do que pode a persistência.
Hoje é comum, na querência,
Andar o povo pilchado.
É xirú embombachado
E prenda arrastando a saia.
No Prcão, na Rua da Praia,
É pilcha pra todo lado.

iberemachado@yahoo.com.br
(71) 9912-1197
Iberê Machado
Enviado por Iberê Machado em 09/02/2006
Reeditado em 29/06/2006
Código do texto: T109773
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Iberê Machado
Viamão - Rio Grande do Sul - Brasil
30 textos (3286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:19)
Iberê Machado