Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pechincha

O velho pala de seda
Eu vendo por precisão
A bom preço de ocasião,
Facilito o pagamento.
A situação do momento
Me obriga a tal desatino.
- Que fazer se o meu destino
Remalha, tento por tento?

Não pude mudar as coisas
Mas creio em Deus e nos Santos.
Eu proclamo aos quatro cantos
Deste mundo a minha crença.
Do Pai me cabe a sentença
Por tudo aquilo que fiz.
Mas eu confio no Juiz
E isto faz a diferença.

Aguardo com ansiedade
Que transcorra este momento.
Que nunca um mau sentimento
Faça em meu peito morada.
A vida é a grande estrada
Onde só se anda pra frente.
Finda repentinamente,
Sem mais nem menos: Por nada.

Mas não há de serenata.
Buenos dias violão.
Os urubus de plantão
Para sempre vão ter fome.
Logo, a crise se some
E eu retorno apoderado.
Como bem diz o ditado:
-Não vou me entregar pros home!

iberemachado@yahoo.com.br
(71) 9912-1197

Iberê Machado
Enviado por Iberê Machado em 18/02/2006
Reeditado em 29/06/2006
Código do texto: T113327
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Iberê Machado
Viamão - Rio Grande do Sul - Brasil
30 textos (3288 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:28)
Iberê Machado