Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma história

Nasceu no interior do sertão
Uma menina franzina, morena
Com os olhos verdes...
Seu pai, que nada entendia de ciência
Mas era muito ciente da vida
Chamou-a Esperança.

A menina crescia em idade
Mas permanecia pequenina
Reflexo da fome que sentia,
Da sede que enfrentava;
Seus irmãos morriam
Ela lutava.

Um dia, um desses programas dominicais
Em suas reportagens moralizantes
Encontrou a menina
(Já de seus doze anos)
Na casinha em que vivia
(Vivia?)
Antevendo a emoção que causaria
O infeliz trocadilho com o nome da menina
Exploraram sua imagem, sua condição
Transmitiram sua carinha frágil para todo o país
E seus olhos, fascinantes olhos opacos e verdes
Sensibilizaram empresários quaisquer.

A menina foi levada à cidade grande
Onde recebeu brinquedos, roupas e cestas de comida,
Ganharam um lar decente na grande cidade,
Uma escola para a menina,
Um trabalho para o pai,
Seus pais, fracos de felicidade, choravam,
Poderiam enfim sustentar o recém-nascido...

Eis que numa tarde, de volta ao anonimato,
A menina, em seu aniversário de treze anos,
Não volta de sua escola
Os pais, desesperados, procuram a emissora de TV
Seqüestro? Fuga? O caso mobiliza o país
"Onde foi parar Esperança?"
Seu rostinho, seus olhos de mar
Aparecem em cartazes, jornais, noticiários,
Grupos criminosos diferentes ligam exigindo resgate
Mas nada de prova de vida...
Cadê a menina?

Agora, caro leitor, apresento-lhe a verdade:

A pobre menina, indo para sua casa,
Foi encurralada por um grupo de rapazes violentos
Atraídos, possivelmente, pelo bom nome da escola
Estampado em seu uniforme
A pobre, cercada no meio de uma ponte de concreto,
Nada poderia fazer
Os rapazes, alterados, exigiram-lhe os tênis,
O relógio,
A mochila,
O dinheiro,
E mais, muito mais...
Ela deu-lhes o tênis, o relógio, a mochila e o dinheiro
Mas, por Deus, que não lhe exigissem mais!
Virou-se e correu, achando uma brecha entre dois criminosos,
Um tiro varou o ar parado e frio do fim de tarde
Expirara a última que morre
Vencido, seu corpo inerte caiu da ponte
E mergulhou nas águas escuras para nunca mais.

Uma risada seca... um palavrão...
Sua elegia.

Naquele mesmo momento, a milhares de quilômetros dali,
Nascia uma menina de olhos verdes...
Menkalinan
Enviado por Menkalinan em 27/02/2006
Código do texto: T116725
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Menkalinan
Uberaba - Minas Gerais - Brasil, 27 anos
8 textos (269 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:37)
Menkalinan