Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto





Houve um tempo
Nos meus tempos
Em que eu, Ninfa do Tejo
Tranquilamente vagava
Aquém dos Montes Hermínios

Uma tarde caminhava
Mal envolta em minha toga,
Pisando a erva tenra.

Aqui e ali colhia
Campainhas coloridas
Das que ali nascem ainda
Rompem as azuis do gelo
E a meio do mês terceiro
Surgem outras, amarelas.

Ia eu pois sossegada
Na beleza de meus dias
O sol manhoso filtrava
Dentre os carvalhais centelhas
Doiradas, finas, esplendentes
Que se enredavam nos fios
Dispersos de meus cabelos

De tudo tão distraída
Seguia, então como agora,
Saltitante vereda fora,
Por vezes fora da vereda...

Eis que oiço quebrar-se um galho
E um vago arrastar ligeiro

Levo ambas as mãos ao seio,
Dos dedos as flores soltando,

Que ante meus olhos vislumbro
Um gentil rosto barbudo
Brilhantes olhos afoitos
E a beleza de um torso
Mais reluzente que oiro...

Dizem que depois, no Olimpo,
Zeus rira muito e bem alto
Daquele meu sobressalto
Defrontando o belo Fauno.
Afrodite, divertida,
Serviu-lhe uma taça de ambrósia
E Minerva, de zangada,
Bole que bole com a agulha,
Tecia uma peúga
Não fosse o Eros menino
Apanhar um resfriado!


Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 05/03/2006
Reeditado em 09/09/2006
Código do texto: T118994
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130533 leituras)
60 áudios (14347 audições)
9 e-livros (5156 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:18)
Maria Petronilho

Site do Escritor