Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA CONVERSA AMIGA

de
CHE QUEVARA
e a
Transformação da sociedade

FLÁVIO MARTINS PINTO

Fundação BIBLIOTECA NACIONAL/MEC
Escritório de Direitos Autorais
Nº de registro: 332.524-Livro:590-Folha:184
Protocolo de registro-2004RS_332
A todos que se indignam contra aqueles que manipulam a mente humana para fins escusos e os que tentam justificá-la alardeando que é para a salvação do homem.
O autor
Esta é uma obra de ficção e os aspectos apresentados são mera coincidência.
UMA CONVERSA AMIGA

Após as refregas, na Academia e na Sociedade, e outras tantas na rua, Quevara foi procurar seu amigo fiel. João estava lá tomando café.
D.Calú tinha passado o dia inteiro enrolado no seu cobertor de lã uruguaia,  ganho num jogo de Tava , lá na fronteira, quando fazia suas estripulias.
Era um tipo quieto, mas impressionantemente vivo quando andava ou desandava a falar. Era um intelectual. Dizia que era o Sócrates reencarnado. Sempre de preto, gravata borboleta preta ou bordô, um panamá amarelecido e com uma impecável camisa clara, era o ombro que Quevara se encostava quando tinha sofrido um revés.
- D. Calú, estoy acá para lhe entregar meu pescueço.
- Mas que pescueço, Quevara. Isso é coisa daqueles que pensam que sabem espanhol e falam Cueca-Cuela e sorviete de moriango. Mas que côsa. É pescoço, el cuello, nada más, Quevara. Cuello, cuello.
- Ah, bom, então....
- O que te fizeram para estares tão triste, Quevara? Mas vamos sentar, pois não ganhamos nada em pé e siquer  cresceremos mais.
- È, D. Calú, descobri que a turma da Academia é a mesma do João. Os da Sociedade , alguns, mas....
- Tu não sabias disso, oh , índio veio? Mas considere que o João está mudado.
- Si, si, si, D. Calú. Pero são mais radicales que imaginava. Até parecem que são da milícia do Fidel. En la palestra se mostraram muy atentos, pero después, atiçaram até periodistas contra mí.
- Bueno, acho que te ajudei ou não durante a minha intervenção?
- Si, si, si.
- E tu, João, que achaste?
- Bueno, aqueles caras consideraram a  tua tese igual a uma caixa de morangos ?
- Bonita por fora, mas ...................
- D.Calú, não lhe falei nada, mas marquei una entrevista com los periodistas aqui no seu apartamento, diz Quevara.
- Será um prazer receber jornalistas aqui, mas podias ter me avisado antes e prepararia algo melhor do que esse carreteiro, não achas? Mas para quando?
- Daqui a alguns dias, depois aviso.
- E daí?
- Quero que o senhor me oriente e .....
- Sim, Quevara, entendi. Te lembras quando nos conhecemos?
- Sí, sí, si....
- Pois é, naquele dia estavas indignado com  o rumo das coisas no Rio Grande. É claro, e entendo, mal chegado ao país e estando baixado num hospital mais de três meses, tudo desconhecido e te deparaste com um tipo de gente que bem conheces. É um tipo especial de gente movida a conflitos. Não conseguem viver em paz com ninguém nem com eles mesmos. Vivem através da geração do ódio por ódio, rusga por rusga. E depois vem nos dizer “.. não ter vergonha de ser feliz...”  Sim, feliz sob o tacão deles, é claro. Depois de tudo ter sido tragado pelo seu partido. Diversas vezes disse que eles enxergam política em tudo, embora, como bem sabes, o homem é um ser político. Mas tudo tem um limite e essa turma não tem enquanto não atinge seus objetivos, e mesmo quando atingem não se dão por satisfeitos inventando novas coisas. É da sua natureza polemizar e agir com dupla personalidade.
Quem, como eles, gera ódio político só podem ter uma deturpação na sua consciência. Uma cisão nos seus neurônios que deturpa tudo a seu favor e acomoda os mais diversos conceitos á luz dos seus conceitos e não os universalmente conhecidos.
A verdade dói, Quevara e o que transmitiste choca com o método de passagem de informações daquela gente. O que fazem diuturnamente é incutir palavras de ordem e conceitos até a massificação e imposição de sua vontade. Na realidade é uma lavagem cerebral muito bem montada. E para isso necessitam daquele público que bem falaste: pessoas anestesiadas por conceitos mentirosos repetidos á exaustão. Mentir, mentir, mentir faz parte da sua doutrina como bem conheces. Mudar de opinião para atingir seus objetivos sem o menor escrúpulo é uma prática corriqueira e não coram ao serem questionados sobre tal incoerência.
Seguidamente nos contas como funcionam as coisas no teu país e, pelo que vejo, essa gente não pensa diferente dos de lá e querem fazer aqui o que os seus parceiros doutrinários fizeram lá.  Por isso a insistência em favorecer  o regime cubano em tudo. Veja que não são pessoas de pouca cultura ou menos viajadas que falam em transformar o Brasil em socialista modelo cubano, com tudo o que tem direito até fuzilamentos.
- Si, si, si. Isto conheço mui  bien.
- Veja bem, como poderemos confiar em gente movida a ódio? O ódio que movimenta consciências só pode ser um ódio sociopático e esse é o ponto de partida da ideologia e modus operandi deles. Um ódio que, muitas vezes começa na família, renegando-a. E o problema é que acham que a  família deles é um microcosmo de toda a sociedade. Acompanhe suas propostas, nas quais a maioria procura quebrar a espinha dorsal da família, em todos os parlamentos do país e terás uma idéia da insanidade inconseqüente dessa turma. Parecem seguir a risca aquela famosa  decisão do PCUS , na qual mandava seus seguidores através da infiltração total,  subverter o Ocidente, particularmente a América, para fazê-la ruir ou implodir seus costumes mais tradicionais e mais caros. Na realidade, sabes bem o que aconteceu: eles ruíram antes do Ocidente e do modo capitalista de viver, devido ao modo policialesco, totalitário, desumano e cruel com que impunham a doutrina. A verdade parece não se preocupar com o tempo, mas ela surge infalível quando sua capacidade de convencer se esgota. Por mais sufocado que seja uma população, chega o momento de se libertar.  Não havia fronteiras para o comunismo internacional, muito menos respeito para com a autodeterminação e soberania dos países: bastava não ser comunista  e pronto, logo era alvo de infiltração e subversão.
- Si, si, si.
- Pois é, Quevara, é a cultura de uma intervenção política e diabólica que levou inúmeros países á,aventura socialista e a débâcle total da suas instituições, levando a nação de roldão. Os movimentos que nessa doutrina se inspiram se consideram acima da lei. Veja  rusga entre MST e Brigada Militar em Livramento, em janeiro de 2004. A côsa estava feia, não é? disse
- É, D.Calú, mas tomar partido de quem?
- Amigo, é fácil: basta seguir o que Osório( o grande Gen Osório-Marques do Herval- orgulho da história militar e política gaúcha e brasileira) disse certa vez- “ É fácil comandar homens livres: basta mostrar-lhes o caminho do dever”.
- Sim, D. Calú, e daí?
- Meu caro amigo, prosseguiu, o dever é algo intrínseco ao caráter do homem de bem. Ele sempre vai pautar a busca de seus objetivos pelo estrito caminho da lei e dentro dela. Sempre. Ou você acredita na boa intenção de um mentiroso contumaz ou na inocência das ações de alguém que vai á sua casa discutir um assunto de armas na mão? O dever é algo muito maior do que a obrigação. Ele é aceito de modo consciente e voluntário, mais como um meio de fortalecimento interior contra as intempéries temporais de valores modificados, que volta e meia surgem. Sabes bem que,  hoje, inúmeras pessoas só pensam nos seus direitos , jamais nos deveres e obrigações para se sentirem verdadeiramente cidadãos. Atitudes, meu caro, em o que me refiro, sem sombra de dúvidas. Não se pode aceitar que pessoas ou grupos se assenhorem de uma postulação, que, embora justa, a reivindique com violência. A violência é monopólio do Estado para defender a aplicação de suas leis , patrimônio e tudo o que é de sua responsabilidade, jamais deve ser exercida por pessoas ou grupos ,organizados ou não, sem que se perca a legitimidade do pleito. E ainda por cima, e como hoje é de praxe, causar desconforto moral e físico a outrem ao desrespeitar seus direitos, começando pelo de ir e vir. Quanto mais violento, mais sem razão, entendo. Assim como também ao se tentar inverter o juízo: de agressor a agredido pela simples retórica aplicada, considerando apenas o depois do fato, nunca o fato em si. Aceitar a violência como modo de reivindicação é a inversão da cidadania. Sim, ao desrespeitar os mais elementares direitos de outrem sobrepondo os seus, o homem se rebaixa á situação de não civilizado e, como sabes, o civilizado resolve suas pendências de modo civilizado. Parece uma redundância, não é? Mas é isso mesmo. Não quero, de antemão, generalizando, taxar de não civilizados aqueles que agem movidos por seus impulsos animais. Uma coisa é a agressão verbal e outra a física. Uma, tal como uma ofensa, ou até um presente que não se aceita, fica com o agressor caso o agredido não a aceite e pronto. Outra coisa é a agressão física, torpe e vil, ainda mais quando cerceia movimentos e ações de quem legitimamente os quer fazer uso. Então, se a reivindicação for justa, existem modos justos e civilizados de buscá-la, sem violência de qualquer espécie. Mas não podemos esquecer, e isso é muito importante, que apóia-la ou patrociná-la (a reivindicação mesmo com violência), mesmo dizendo que não concorda com a violência, mas a aceita, é um ato pleno de violência declarada, não podendo o autor se imiscuir das responsabilidades.
- Mas, D. Calú, e daí? De que lado afinal?
- É, tantos interesses em jogo, mas a lei é uma só e deve servir para todos. Mas não podemos esquecer que o MST é um movimento articulado  e que quer, na  realidade e seus líderes não escondem, destruir o Estado  de Direito. Aquele mesmo Estado que lhe dá guarida democrática para agir e sobreviver. Sim, eles só sobrevivem com dinheiro do contribuinte. Isto é um fato incontestável.
- E o Estado tem ou deve se defender quando agredido?
- Claro, e como já disse, a lei serve para todos numa sociedade democrática e deve ser aplicada e fiscalizada pelos agentes da lei em todos os escalões e nas mais diversas áreas. Eles estão ali para isso, afinal ganham exatamente para isso. A pergunta,  então,  deve ser dirigida para saber de que lado e como agem os agentes da lei. Se sempre agirem para que a lei seja cumprida, o modo dissassório certamente será sentido por aqueles que, com absoluta certeza, pensarão duas vezes em colocar o Estado e suas instituições em cheque. Mas não nos enganemos ao aceitar os homens da lei como os corretos sempre.
- Si, si, si, D.Calú.
- Um homem livre, mas não dentro dessa concepção errônea que hoje vigora transmitida por certas correntes religiosas,  sabe o caminho correto para onde tem de ir  e pautar suas ações.
- Si, si, si, D.Calú.
- Já cansei de falar sobre as vantagens da virtude sobre os vícios e não vou mais me estender sobre isso.
- Então, D.Calú, vamos embora.
- É, João, estou um pouco cansado. Até mais tarde.
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 12/03/2006
Código do texto: T122317

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 65 anos
530 textos (94141 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:39)
FLAVIO MPINTO