Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A velha da cadeira de balanço

A velha da cadeira de balanço

Cabelos brancos, pernas cansadas
Mãos queimadas das cozinhas da vida
A velha na cadeira se balança
E conversa com suas lembranças

No meu tempo de criança
Moça bonita não mostrava o peito
Gritar, ou xingar os outros era falta de respeito
E havia tanto preconceito
Que era melhor freqüentar o mesmo leito.

Amante vivia do sonho e de esperança
Menino jogava bola de gude
E menina brincava de boneca
Para espôsa só moça donzela

Cabelos tingidos, pernas cruzadas
Toda a pele bronzeada nas máquinas da vida
A gata na cama se estica, se mexe,
Faz mais uma pirueta, e grita para seu amante

Vê se na próxima não me deixa correr risco
Melhor ficar brincando com meu peito
E deixar de tanto preconceito
Pois sei que tens mesmo é “outro” eleito!

E a velha conversa com suas lembranças

Não se abaixava, pois aparecia o fe-ó-fó

A amante se arrasta, e lambe e engole
Desaforos, prazeres, mata a sede
De todos e morre sedenta de encontrar
Um verdadeiro touro

A cadeira de balanço pende para o lado
A velha morre e é logo esquecida
A amante vê seu eleito com o peito ferido
Pular para outro leito, e diz que não mudou de partido

Neste tempo, tudo é diferente

As amantes são caçadoras
O homem não tem mais virtude
Preconceito não mais existe
Menina joga bola acerta o chute,
Menino brinca de ser boneca
Espôsa só se for mesmo, desonesta
E mentirosa para aguentar tanta loucura.


Tem agora uma nova Ética
Que soa melhor como Ótica
Onde se fabrica um
Par de óculos

E tudo fica melhor,
Diz torcendo a mente
Distorcidamente
Sei lá acho que a lente mente.
Não é a mente que ficou fraca
É nossa gente que fracassa.

E tropeça em tudo
Como a velha na cadeira de balanço
No outro dia não passa de mero embrulho
Jogado num monte de entulho.
Aradia Rhianon
Enviado por Aradia Rhianon em 15/03/2006
Código do texto: T123619

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aradia Rhianon
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1208 textos (87735 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:40)