Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nulo

A inquietude da alma me cala
Um estado de reflexão me inebria,
Sob as trevas da vida tumultuada,
Não pude absorver tudo ao que me cabia

Sem apreço
Sem maldizer
Sem preço
Sem prazer

Maldita é a existência,
Com suas comparações e imposições
Que sem consentimento me afetam em regência,
Modificando-me conforme as quatro estações

Sem pausas
Sem anestesia
Sem causas
Sem poesia

Meus únicos carinhos foram furtados,
Por querubins trapaceiros,
Por seus inúmeros amantes declarados,
Por meus amores... Simples passageiros

Sem inibição
Sem pudor
Sem articulação
Sem horror

Ousei-me atrever em meu secreto querer
Projetei e incentivei minha decadência,
Que seria a anulação de ti, meu satisfazer...
Sacrifiquei-me ao ver seu olhar em ausência

Sem hematoma
Sem verdade
Sem diploma
Sem divindade

Talvez seja inveja dos rebeldes inesquecíveis
Ou quem sabe até tentação pela derrota,
Porém sei que venci todas as lágrimas invencíveis
Tornando-me destemido nesta Era torta

Sem distinção
Sem consciência
Sem religião
Sem essência

Estabelecendo o pânico em minhas veias,
Tenho fobia em pensar no exílio da minha paixão
Feito uma traiçoeira aranha tecendo suas sensuais teias,
Sou um verdadeiro prostituto à procura de sua atenção

Sem serenidade
Sem vícios
Sem maternidade
Sem resquícios

Uma perda benéfica ao meu corpo?
Somente o sábio amanhã irá me iludir
Foi a devastação de nosso inatingível horto
Oh! Como pode de nosso pedestal simplesmente fugir?

Sem plenitude
Sem corrupção
Sem juventude
Sem conclusão
Carlos Henrique Toledo
Enviado por Carlos Henrique Toledo em 19/03/2006
Código do texto: T125369
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Henrique Toledo
Jacutinga - Minas Gerais - Brasil, 28 anos
18 textos (480 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:43)
Carlos Henrique Toledo