Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TEORIA E PRÁTICA DO SONETO

Wilson Martins

(publico este importante ensaio do renomado literato, pesquisador e crítico literário, na intenção de contribuir e esclarecer os confrades sobre esta forma fixa, recentemente alçada à condição de 'categoria' neste sítio de escritores. O endereço da publicação original aparece ao pé desta. Nossos cumprimentos ao autor).

“O exercício do poema de forma fixa teve significados diferentes para os modernistas e a Geração de 45.
 
Se um soneto sem defeitos vale por si só um longo poema (Boileau dixit), deve-se compreender que a idéia central está na cláusula excludente, não na comparação pura e simples: poema de forma fixa, o soneto, sob pena de se desfigurar como soneto, só se pode equiparar em qualidade às outras composições e não apresentar nenhum defeito segundo as suas próprias especificações técnicas. Forma fixa, mas não rígida, como pretendem os espíritos simplistas e simplificadores que o encaram como inimigo pessoal. Todos os poemas de forma fixa são parnasianos, no sentido de que se fundam na disciplina intelectual e na intransigência do rigor: como dizia Théodore de Bainville no tratado clássico da matéria, não há liberdades poéticas.
 
Às dificuldades genéricas, o soneto acrescenta a brevidade (de ordem material) e a organicidade, de ordem espiritual, porque não se trata apenas de escrever 14 versos distribuídos em dois quartetos e dois tercetos para obter o soneto: é preciso que as estrofes obedeçam a uma coerência de concepção e pensamento (da qual a tão malsinada "chave de ouro" é a conclusão de um silogismo). Claro, Petrarca propôs-lhe o modelo paradigmático e por ele se guiaram os puristas posteriores, mas, com o correr dos tempos, a perfeição originária acabou por parecer monótona, como sempre acontece, e o esquema canônico passou a aceitar modificações de estrutura. Mesmo parnasianos acima de qualquer suspeita, como Olavo Bilac e Guimarães Passos ("Tratado de versificação", 1905), admitiam variações mais ou menos comparáveis às variações das igrejas protestantes de que falava Bossuet.

Alguns autores datam do século XIII a criação do soneto, com o trovador Girard de Bourneuil (morto em 1278), passando da França para a Itália, e, de torna viagem, da Itália para a França desde o século XVI. Sobre o tema, e a propósito dessa data na história de nossa poesia que é a tradução da "Lírica" de Dante por Jorge Wanderley (Rio: Topbooks, 1996), Guilherme Figueiredo escreveu dois artigos brilhantes em que se identificou a presença do soneto com a sensibilidade humana e o sentimento poético ("A invenção do soneto" e "Ainda a invenção do soneto". O GLOBO, 15 e 22/8/1996). Nesse contexto, não fica mal lembrar o livro dedicado por Melo Nóbrega ao mais célebre de todos, estudo de erudição e empatia poética a que sempre vale a pena voltar ("O soneto de Arvers", 2ª ed., 1957) - página pungente, lembra Guilherme Figueiredo, em que Félix Arvers "se lamenta de que a fidelidade da mulher do próximo a impossibilitava de compreender sua declaração de amor".

Os historiadores da literatura já lhe desvendaram a identidade civil, mas os leitores de poesia preferem viver para sempre no mistério, repetido, de geração em geração e de poeta para poeta, com relação às mulheres que não se reconhecem em outras tantas histórias de amor impossível. Melo Nóbrega passou em revista as incontáveis traduções e até paródias desrespeitosas que fazem do soneto de Arvers um mito literário (em que muitos espíritos azedos já descobriram incontáveis defeitos...).

O soneto "italiano", que se transformou em soneto "inglês" pelo prestígio de Shakespeare, "italiano" continuou para o resto do mundo e pelos tempos afora. É o soneto clássico, petrarquiano e camoniano, escrevia Olavo Bilac, "em versos decassílabos ou heróicos. Mas, nunca houve regras fixas para a colocação das rimas dos quartetos e tercetos, se bem que a colocação mais geralmente seguida tenha sido (...) o primeiro verso com o quarto, o quinto e oitavo; o segundo com o terceiro, o sexto e o sétimo; o nono com o undécimo e com o penúltimo; o décimo com o duodécimo e com o último".

Boileau mostrava-se sensível à musicalidade das rimas, referindo-se aos sons que surgiam e se respondiam em diversos momentos da estrutura rítmica, dando a pensar que o verso chamado branco já é uma descaracterização da natureza profunda. Há outras variações, reconhecia Bilac, como, por exemplo, a inversão das estrofes ou sua consolidação num bloco único, com ou sem o dístico final dos ingleses. O soneto, na sua enigmática perfeição e aparente facilidade, continua a ser uma tentação permanente, não só em poetas como Alphonsus de Guimaraens Filho, que com ele se identificou ("Todos os sonetos". Rio: Galo Branco, 1996), mas também nos que praticam com mais regularidade e maior espontaneidade a poesia "moderna", isto é, o verso livre em todas as suas modalidades: Antônio Brasileiro e Ruy Espinheira Filho, cada um com a sua "Antologia poética" e ambos editados em 1996 pela Fundação Casa de Jorge Amado, em Salvador, em condição com a Copene, Petroquímica do Nordeste S.A.).

Os dois últimos são "modernos" no sentido genérico da palavra, posteriores ao esteticismo da Geração de 45 a que, pelo menos cronologicamente, pertence Alphonsus de Guimaraens Filho. O Modernismo realista e regionalista, repudiado pelos poetas de 45, retorna com Ruy Espinheira Filho e Antônio Brasileiro, para nada dizer do caçador solitário que se chama João Cabral - e o simbolismo psicológico a que os modernistas eram estranhos prolonga-se marginalmente na obra de Alphonsus de Guimaraens Filho.

Nesse contexto, a prática do soneto tem significações diferentes: é um exercício espiritual neste último, e um exercício artesanal nos outros dois. Mas todos se identificam pela presença de dois valores a que os modernistas e o quarentacinqüistas se mostravam indiferentes: o Tempo e a Morte, os primeiros porque identificados com a permanência ilusória do presente, e os segundos pela perpetuidade livresca do passado abstrato.

Assim, o que varia são as prospecções que soubermos aplicar na leitura de uns e de outros. “

(in O Globo, caderno Prosa & Verso, 04.01.97)

http://www.revista.agulha.nom.br/wilso15.html  08Mar2006.
Todos os DIREITOS AUTORAIS pertencem a Wilson Martins.
 
(remetido a Joaquim Moncks por Oswaldo Francisco Martins, engenheiro, pesquisador literário e poeta, integrante da diretoria da Casa do Poeta Brasileiro em Salvador - POEBRAS SALVADOR, em 08 de março de 2006)

http://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/125797
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 20/03/2006
Reeditado em 26/08/2011
Código do texto: T125797
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709613 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:54)
Joaquim Moncks