Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ROSINHA APAXONADA

Rosa Ramos (26/02/2002)
Eu num seio prumode que
Rosinha se apaxonô
pel'um caba sem futuro
cuma o fio de fulô!

A mãe só farta corrê
doida - doidinha barrida!
Já maginando o que
a fia vai sofrê na vida.

É que o caba é baguncêro!
É vagabundo! Um canaia!
Além de sê cachacêro.
Um sem-veigonha! Um catraia!

E o pai, coitado, nem fala.
Véve num sofrê medonho.
Achando que é pesadelo
o que pudia sê sonho.

E a Rosinha, nem liga!
Facêra! Filii da vida!
Di pra mãe: -Isso é besteira
minha mãezinha quirida!

-Vou casá cum Edinei
e ninguém vai m'impatá
poi ele é mermo, eu sei,
quem vai mi levá pro artá.

Num adianta brigá
nem butá areia não
pruquê o Edinei já tá
dento do meu coração!

-
E a Rosinha se casa
cum seu Edinei quirido.
Nem bem uns dois mês se passa
leva tapa ao pé d'uvido.

Vorta pra casa do pai
chorando, pidindo arrêgo:
-Me perdoi paizinho quirido!
Eu já num tenho sussego.

E o paizinho perdoa
pruque tem um coração
mole, qui num pode vê
sua fia sofreno não.

A mãe agradece a Deus
pelo milagre obtido.
C'um bode paga a promessa
a São João pru seu pidido.

Tem sua fia de vorta!
E ela, parece, aprendeu
que um home de vida torta
ninguém muda ou desentorta.
Só quando se di: Morreu!!




Rosa Ramos
Natal/RN
(26/02/2002)

Alterado em 06.10.2015

















 














 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 03/04/2006
Reeditado em 06/10/2015
Código do texto: T132827
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Regis
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 67 anos
383 textos (153789 leituras)
1 e-livros (8 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:45)
Rosa Regis

Site do Escritor