Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CHACINA DA CANDELÁRIA

Que triste névoa a cobrir meu pranto,
Ao avistá-los tresnoitados e tristes,
Buscando mãos iguais às suas...
Cheirando cola e comendo vento.

Que triste sina de viver errante...
Pária de um mundo, cruel, fronteira,
Se o hoje é o ontem, igual ao amanhã,
De uma sociedade nojenta e injusta.

Fazem banquetes nas latas de lixo/luxo,
Quando encontram o que comer...
Seus dias são noites, as noites sem fim,
Serão os "Pixote's" se amanhecerem.

Meninos de rua, no drama da vida,
São tantos que crescem, sem rumo certo,
Apenas esperança de sobreviverem...
No resplendor da vida o encontro com o fim.

Pelos caminhos a procura é incerta,
Ao final de um ato só muda os atores,
E no palco da vida do teatro Brasil,
A saga da morte, num cenário de dor.
WILSON FONSECA
Enviado por WILSON FONSECA em 17/04/2006
Código do texto: T140280
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WILSON FONSECA
Rio Grande - Rio Grande do Sul - Brasil, 67 anos
193 textos (18090 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 07:53)
WILSON FONSECA