Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PAMPA POBRE II

Acendendo o dia, desponta o sol atrás dos montes,
Clareando a verde campina, desabrochando o horizonte.
Acordo outra vez pra vida, pra doce lida do campo,
Na romântica querência, este gracioso recanto,
Lugar no qual eu nasci, a terra que Deus me deu,
Onde viveu minha gente, onde meu sonho cresceu.

Meu Deus, este Criador, que deu o mundo sem fim,
Fez a terra grande, fértil e o mar imenso assim
Pra que não faltasse a vida, pro Pedro nem pro João;
Pra que a nenhum de Seus filhos vivesse a faltar o pão,
Nem tivesse que roubar ou matar os seus iguais,
Mas ter a dignidade, seu canto, respeito e paz.

Este lugar que te falo, vivente amigo querido,
Se trata do meu Rio Grande, pois daqui eu sou nascido.
É uma terra mui buena, deste povo hospitaleiro,
Afamado pelos pagos e nos sertões brasileiros.
Mas terra de poucos donos, grande parte se amontoa.
Nossa terra é mesmo o asfalto, se pagar uma grana boa.

A maioria, meu velho, ganha salário minguado.
Nem tem mais lida na terra, pouco há cuidar do gado.
Quem lida agora no campo é a máquina sem alma,
Que não tem rancho e família, jamais carece de pão,
Desemprega a gauderiada, enxota pra cidade,
Onde vão viver nas praças, expulsos da sociedade.

E o que dizer da indústria, onde o PC desemprega,
Faz filas de desemprego, salários de fome agrega.
É gente pobre daqui, miséria e choro de lá,
Indignação de um lado, gente a se desesperar.
E poucos a rir-se a toa, com riqueza em demasia,
Escravizando os patrícios, explorando a maioria.

Mas te digo companheiro, não penses mal do Rio Grande,
Aqui tem gente buenaça, alegria até se expande.
Uns poucos são avarentos, donos da terra e de tudo,
O povo curte o futebol, churrasqueia e fica mudo.
Mas pergunto, amigo velho, como alterar nossos dias,
Se já no tempo antigo reinava assim a tirania?

Resta gostar do que é bom, desta gente sofredora.
Povo que sonha e trabalha, nem por muito se apavora.
Nosso Rio Grande é bonito, muitos poetas disseram
E o sangue de muitos guapos nos prados se derramaram,
Querendo justiça, igualdade e fartura pros viventes,
Engrandecendo este pago, honrando esta gente.
Breve Jesus Voltará
Enviado por Breve Jesus Voltará em 17/04/2006
Reeditado em 09/02/2009
Código do texto: T140790

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Breve Jesus Voltará
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 50 anos
1124 textos (254362 leituras)
5 e-livros (9337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:18)
Breve Jesus Voltará