Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
                                  Alma pantaneira
                                  Sul matogrossense
                                  Menina trigueira
                                 Virginal ardencia,
                                 que dasabrocha ,
                                 nos belos curixos,
                                 e nos doces sussurros
                                 de todos os bichos,
                                ao despertar da madrugada....

                               Alma Pantaneira
                               prenhe de magia
                               verde encanto,
                               na pasmaceira
                               do meio dia....
                               Alma pantaneira,
                               que desperta no pranto,
                               da lânguida viola,
                               Que nos dedos crioulos
                               a alma consola,
                              e parece responder
                              no canto dos pássaros,
                              e aves ao entardecer...

                           Paraiso intocado,
                           Reduto de veados,
                          e das onças,
                          que margeiam seus banhados.
                          
                          Pantanal
                          dos bacuris,
                          Piranhas, lambaris,
                          capivaras, antas,
                          suas belezas são tantas,
                          como só se vê aqui.
                         Seu povo.....
                          é feliz
                         nesse mundo novo.
                         feliz,
                         como só aqui
                        só aqui se pode ser.
                        
                       Tem o pantaneiro
                       um grande coração
                       coração renovado
                       puro, hospitaleiro,
                       e está sempre pronto
                       a dar a mão.
                       Mas...
                       È nas cordas da viola,
                       que ele se derrama,
                       fazendo côro
                       sem nenhum decôro
                       á natureza exuberante
                        e ao seu berrante,
                       amigo constante
                       da lida sua
                       desde o romper do dia.
                        Alma nua,
                        Alma vestida de alegria....
                        Viola e berrante
                        estão sempre á mão,
                        á todo instante,
                        qual seu coração.
                        
                     De manhã,
                    dá gosto de ver ,
                   da vida, o afã,
                   a despertar o alvorecer
                   E a boiada na extensão,
                   partilhar o mesmo chão
                   c'o a pintada,
                   e o belo arancuã....
                 
                Tamanha é a emoção
                que me ponho á cismar...
                 Será que morri,
                 e o paraiso é aqui?
      
                    
                        




                               
                                
Teca
Enviado por Teca em 18/04/2006
Reeditado em 21/04/2006
Código do texto: T141212

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar a autoria de Teca e o site www.recantodasletras). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Teca
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil
1121 textos (122837 leituras)
5 e-livros (1459 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:30)
Teca

Site do Escritor