Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Depois

Tento fingir,
me enganar,
dizendo que não acabou
que só por um momento você se enganou,
e que logo logo vai perceber que precisa de mim
Mas vejo o quanto estou errada,
e o quanto me machuco pensando assim.

Sua alma não é mais minha,
não vejo mais nos seus olhos minha face refletida,
porque agora, para mim, eles estão sempre fechados.
Eles não me querem ver mais,
não me querem mais,
e seu corpo não se funde mais ao meu
como antes se fundiu
como um dia se fundiu
de modo tão perfeito,
harmonioso,
e eu que acreditei
ter nascido pra beijar você.

Quanto erro,
quanto engano,
quanta dor isso tudo me trouxe.
Hoje me sinto despedaçada,
como se um pedaço meu tivesse sido arrancado
no momento em que você se calou,
concordando com tudo o que eu dizia

Pensar que não vou mais te ouvir
isso é o que mais dói,
e é por isso que ainda te procuro,
que ainda te ouço,
mesmo sabendo que não é mais o que eu queria que fosse
e que um dia,
por um breve momento,
foi.

Sim, foi.
Um dia você me quis,
você me desejou de verdade,
e seus olhos me fitavam tão profundamente
como os meus ainda fazem.
Então me pergunto:
como algo tão forte e poderoso,
capaz de modificar duas vidas em apenas dois dias,
pode ter morrido, assim,
dentro de você?
Não tem como não achar que
a culpada sou eu,
como sempre eu,
cada vez mais eu.
Eu, imperfeita.
eu, inexperiente,
eu, distraída,
eu, calada,
eu,
eu,
eu.

Não agüento me ver no espelho,
porque o meu eu me fere tanto
quando olho e lembro que fui eu
a culpada por tudo.
Se eu fosse diferente,
talvez,
se eu fosse mais bonita,
talvez,
se eu fosse mais sexy,
talvez.
Talvez não precisaria me perguntar tanto,
porque isso tudo já me perguntei um dia,
e como não obtive resposta,
continuo sofrendo com as mesmas questões,
questões de honra,
de imagem,
de auto afirmação
de auto estima.
Tenho vontade de me mutilar todas as vezes
que lembro dos seus olhos nos meus
verdadeiramente nos meus,
quando lembro da sua carne na minha carne,
da sua boca na minha boca,
quando isso ainda te dava prazer.

Ah! O tempo...
O tempo é quem vai me curar,
mas porque então não me cura logo?
Quanto mais preciso que ele passe,
mais ele se demora,
e me consome,
e me machuca,
porque demora tanto, tempo?
Por que?
Diana Marques
Enviado por Diana Marques em 26/04/2006
Código do texto: T145892
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Diana Marques
Guara I - Distrito Federal - Brasil, 32 anos
22 textos (909 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:30)
Diana Marques