Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POR QUE?


POR QUE lutam os homens
Em busca de tantas riquezas
Se mal podem desfrutar
Da pobre vida que levam?
E POR QUE acumulam essas mesmas riquezas
Se não vão encher seus sarcófagos de ouro?

POR QUE dizem os néscios
Que a competição é saudável
Se eles mesmos sofrem por isso
De extrema angústia e ansiedade?

POR QUE as crenças de todos os tempos
Falam em “união” e “fraternidade”
Se elas mesmas se digladiam
Numa batalha ancestral
Em busca de uma mesma “alma perdida”?

E POR QUE essa mesma “união”
Só vale para seus irmãos
E não para os de outra associação?

POR QUE sacrificamos nossas vidas
Em busca de mais posses e bens
Se o chão por que brigamos nas lutas
Vai nos tragar lá no fundo
E nos devorar como vermes da terra?

POR QUE reclamamos da vida
E fazemos da vida do outro
Um terrível fardo pesado
Com nossos olhares de inveja
– E nossas palavras ferinas?

POR QUE queremos ser felizes
Se negamos ao outro
O direito de desfrutar a vida
Devido à tristeza em que vivem
E ao pão que não comem?

POR QUE reclamamos por nossos direitos
Se negamos aos outros
O direito de se defenderem
De nossa opressão contra eles?

POR QUE lutamos tanto
Pela limpeza no mundo
Se nossas palavras são sujas
E nossos pensamentos, impuros?

E POR QUE reclamamos de nosso sofrimento
Se cada lágrima que derramamos
Vale pela mesma lágrima de dor
– De quem nós fizemos sofrer?
Pedro Ernesto Prosa e Verso
Enviado por Pedro Ernesto Prosa e Verso em 06/05/2006
Reeditado em 06/05/2006
Código do texto: T151422
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Pedro Ernesto Prosa e Verso
Fortaleza - Ceará - Brasil
439 textos (8782 leituras)
1 e-livros (6 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:32)
Pedro Ernesto Prosa e Verso

Site do Escritor