Capa
Cadastro
Textos
Ńudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viver nšo basta ...

VIVER näo basta, temos sede do melhor, do pronto e do infinito, como se fôssemos o supra sumo do extraordinario, todavia insatisfeitos sempre.

SaùDE boa näo basta se näo alimentar o ego eclético competitivo em jornadas jovens e desafiadoras, onde o sangue novo brilha mais que a libido adolescente.

AMIZADES näo bastam se näo perfeitas, sinceras e solidariamente imbuidas em altruismo sempre a nosso favor.

DIVERSÄO säo insuficientes se näo compartilhadas com status mais elevados que o nosso, a nos atribuir um pseudo valor, como se a alegria tivesse preço ou medida social alguns.

AMOR näo basta se näo garantir perpetualidade, lealdade eterna, apoio radical nos momentos fràgeis e vulneràveis.

PODER  nunca suficiente, no afä humano do progredir alucinado por extrapolar  limites capitalistas, retrogradando-nos ao consumismo assassino, que alienia almas missionàrias da paz e do amor maior.

RELIGIÄO näo é o bastante sem eco dos amigos, chefes, vizinhos, artistas, politicos, familia e, principalmente, se näo atender nossas reinvidicaçöes constantemente empurradas ao nosso Criador, cujo unico desejo é um momentinho sincero e discreto, da mais pura intimidade entre pai e filho.

PROSPERIDADE jamais é suficiente sem o rotulo publicamente exposto e aplaudido pelos prosperos materialistas, como se nossa essência fisica näo dependesse do poder espiritual que rege a nossa carne.

HUMILDADE näo basta se sentirmos  que o futuro nos ameaça com carências materiais advindas do nosso remoto desprendimento aos irmäos necessitados.

IDEAIS engordando filas imensas de pleiteadores insaciàveis nunca bastam, quando dependem de esforço e renuncia propria, porquanto a lingua tem um trabalho mecânico simples, a força bruta no entanto, somente nasce se os braços forem comandados pela mente trabalhadora, firme e obstinada.

PENSAMENTOS nunca suficientes se näo exacerbarem nossos defeitos tidos por nos como virtudes, por sermos incapazes de tudo abandonar e começar do zero, experimentando o sabor de ser nada e nada ter – o que seria uma otima oportunidade de reduzidos a po sermos moldados em seres absolutos.

O rol de imperfeiçöes humanas é imenso,contudo tentemos a perfeiçäo vivendo lentamente cada dia como se o ultimo, carregando seu peso proporcional e usufruindo a felicidade que cada minuto sagrado nos proporciona.

Grenoble-FR-14/05/2006
InÍs Marucci
Enviado por InÍs Marucci em 14/05/2006
Cůdigo do texto: T155791
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
InÍs Marucci
Santos - S„o Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23416 leituras)
(estatŪsticas atualizadas diariamente - ķltima atualizaÁ„o em 11/12/16 02:23)
InÍs Marucci