Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dia dos namorados

Carlito era um mulherengo de marca maior. Iria completar um ano de namoro com Aida e, ao mesmo tempo, era casado com Patrícia. Só a amante sabia da situação. O problema é que as duas eram ciumentas e muito bravas. Carlito ficava tentando equilibrar o jogo: não deixar que a esposa descobrisse a amante, que por sua vez exigia muito dele, em todos os sentidos.
- Amor, vamos completar um ano de namoro e, como está perto o Dia dos Namorados, quero um presente bem bacana, viu.
- Aida, estou apertado de grana. Estou gastando muito com o Júnior, que está doente.
- Não quero saber Carlito, quero um presente bom de aniversário de namoro. Te vira. Já chega ser a outra na tua vida. Se não, encerro o namoro e nunca mais vai ter “cavalo chucro” nem “moto engasgada”.
Carlito resolveu dar um jeito e pedir uma grana emprestada para um amigo, mesmo estando com muitas dívidas. Não viveria feliz sem fazer o “cavalo chucro” e a “moto engasgada”. Para não dar bandeira, foi numa loja de uma cidade vizinha. Chegou lá e olhou daqui, olhou dali, e gostou de um sofá. “Imagina eu a Aida aí” – pensou. Negociou com uma vendedora e foi no caixa pagar.
- Carlito!
- Laura? Tu está trabalhando aqui?
- Claro cunhadinho, comecei ontem. Garanto que a avoada da Patrícia nem te contou!
- É, não contou.
- Essa minha irmã, tem uma cabecinha. Foi uma sorte eu ter arranjado esse serviço, tava precisando. E tu, o que está fazendo aqui?
- Eu... Bem...
- Ah, a nota do sofá é tua! Comprando para a Patrícia, né. Dia dos namorados.
- É.
- A vista Carlito? Pensei que vocês estavam sem grana, por causa do Júnior?
- É. Pedi emprestado.
- Ah, tá, comprou a vista que é para a Patrícia não descobrir antes do Dia dos Namorados, né?
- É.
- Pode deixar comigo cunhadinho, eu guardo o sofá no estoque e mando pra Patrícia de surpresa, no Dia dos Namorados.
- É. Tá.
- Que coisa boa eu te encontrar aqui no meu primeiro dia de trabalho, e ainda mais fazendo uma coisa dessas para a Patrícia. Você é demais, Carlito.
- É.
Ao deixar a loja e ir para casa, Carlito pensava onde ia arrumar outro cavalo e outra moto.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 18/05/2006
Código do texto: T158029
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
João Adolfo Guerreiro
Charqueadas - Rio Grande do Sul - Brasil, 48 anos
640 textos (131820 leituras)
83 áudios (12904 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 17:39)
João Adolfo Guerreiro

Site do Escritor