Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COVIL



Quando os homens abandonarem
o aconchego das cobertas e a comodidade do cansaço
descerem das camas quentes, sentando na beira da calçada
nas madrugadas geladas para admirarem a lua e as estrelas
talvez, sejam mais felizes

Mas, infelizmente não é assim
somos filhos da pressa apressada
suamos enlatados nos coletivos
brigamos todos por um lugar ao sol

Minha casa já não me pertence
meus filhos não conheço-os
amor feito às pressas
sem gozo, sem calma
obrigação, nada mais!

As ruas passam, os meses, os anos
continuamos na mesma
as luzes dançam em ritmo acelerado
Metrópole, Megalópole
qual lobo ferido e acuado
perdido na selva medonha
gravata e terno de aparências
relógio-ponto, senhor implacável
café amargo, antídoto sereno
cercas e muralhas de papéis-oficio
Nós lutamos contra o tempo.

JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES
Enviado por JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES em 22/05/2006
Código do texto: T160895
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES
Eldorado do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
216 textos (80488 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:40)
JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES