Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SAL




Renascer a cada dia
No sal das cinzas do vegetal que morreu
No sal do suor dos homens na luta diária
No sal das ondas que marcam as rochas na praia
No sal contido na língua áspera dos críticos injustos em seus pedestais de louça
No sal da terra em cio, desejando água
No sal que queima e reabre chagas doridas e quentes
No sal da baba dos cães danados com raiva e quase cegos
No sal do intestino prutefacto dos abutres eternamente pousados a sombra do riso
No sal da vida jogada fora na sarjeta, num beco qualquer nas frias noites de chuva
No sal da viúva lágrima que jorra no peito jovem

o ferro imponente corroí-se e desgasta com o sal
a vida esvai-se por mãos assassinas e pneus irresponsáveis
a infancia chora o brinquedo roubado e jogado no lixo
choramos o tempo perdido em busca do além

em certas circunstâncias o homem é mera estátua de sal
ou continua
JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES
Enviado por JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES em 22/05/2006
Código do texto: T160897
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES
Eldorado do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
216 textos (80416 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:44)
JOAO DE DEUS VIEIRA ALVES