Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dois olhos cheios d’água

“Uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água”
(Antonio W. de Siqueira, “Passado”)

-------

Eu trago nas mãos a fé
de viver vida melhor
com muita gente ao redor
pois a solidão não é
o que procuro. Eu até
ainda curto essa mágoa;
ainda comigo trago,
a dividir o meu leito,
uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água.

É uma luta sem fim,
um desperdício medonho,
a vida com tanto sonho
e eu tão tristonho assim.
Mas não respondo por mim,
mesmo que traga, sem jeito,
uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água
a formar enorme lago,
a molhar todo meu leito.

Na solidão me sujeito
a não ter inspiração,
viver sem muita razão
esse meu sonho imperfeito.
Uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água
acompanham quando eu trago,
a pulsar, meu coração,
com toda a desilusão
que dentro de mim deságua.

Não sou feliz quando afago
a solidão desse jeito.
Uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água
ainda lembram a mágoa,
a dor cruel que não traz
um minuto só de paz
e faz o meu coração
viver a desilusão
que cresce cada vez mais.

Uma dor dentro do peito
e dois olhos cheios d’água,
a trazer um gosto amargo,
a me deixar contrafeito,
a não me atender o preito
a que tanto me empenhei.
Esta solidão, eu sei,
irá rondar minha vida
e manter viva a ferida
em meu peito. Esta é a lei.
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 04/06/2006
Código do texto: T168991
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260298 leituras)
36 áudios (10733 audições)
6 e-livros (1686 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:26)
Paulo Camelo

Site do Escritor