Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALCOVA HUM


Ainda sou o que consigo ser...
Percorro meu caminho desde o início
e ainda sinto a reação química,
a homogeneização,
que acontece dentro do meu coração.
Ainda caminho sem eira nem beira
desde a minha primeira comunhão.
Sou a república e o povo de um Brasil
que mantém a linha, o nome, o espírito
e a religião.
Ainda desacato a rima e a realidade presente
e
não aceito passivamente os valores estabelecidos.
Questiono a essência dos fatos
vejo os fantasmas que nos rodeiam
caminho de bem com a vida
e aos que me seguem
e me presenteiam:
_ eu ainda digo que há vida onde tem ação!
             
Ainda possuo um grave defeito
de extravasar meu sentimentos incontidos.
Ainda grito pelos cantos
e pelos esgotos entupidos,
da minha cidade.
Minha mãe ainda será sempre santa
amada
santíssima
pura.
Sou filho também dessa mãe gentil,
sou pátria amada
idolatrada do Brasil.
   Aos vinte anos
não morri de câncer
e aos trinta e treis
(sei que morreu Jesus Cristo)
mas sobrevivi outra vez...
(beijos à cigana que me lera as mãos aos quinze)

Inconientemente
tornei-me mais humano
do que nunca.
Sigo minha vida
remando o barco
lentamente,
imune, sadio
e feliz.

AVIENLYW - (9/1/2002 )


WILDON LOPES
Enviado por WILDON LOPES em 05/06/2006
Código do texto: T169808
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de AVIENLYW e o site www.wildon.com.br"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WILDON LOPES
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
269 textos (14459 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:47)
WILDON LOPES

Site do Escritor