Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhador

Eu poeira do mundo.
Como no chão uma esteira.
Eu vejo o fundo.
Capito o som da vida cabeira.
Do trabalho, carro ou do meio-fio.

A menina que passa.
No ar de sua graça.
E ela nem me viu.
Olho para o lado, fotografo outro instante.
Levanto o pescoço e vejo o horizonte.
Um homem trabalha e enxuga o suor.
Um vira-lata bem magro espreguiça no pó.

E eu poeira do mundo.
Totem de juízo alado.
Com suspiro de alma e tempero de coração.
Sinto que o fim de tarde é mais belo.
O crepúsculo da tarde.
Misturado ao fresquinho chegante.
Da a impressão que decerto.
Me vejo poeira.
De um mundo sempre avante.
Robson
Enviado por Robson em 05/06/2006
Código do texto: T170018

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Robson
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 40 anos
100 textos (2584 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:22)
Robson