Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PENSAMENTO NIETZSCHEANO (uma compreensão poética do pensamento de Nietzsche)

Por: Rosa Ramos Regis

Univ. Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
Centro de C. Humanas, Letras e Artes – CCHLA
Departamento de Filosofia
Disciplina: Exercícios de Análises Filosóficas
Professora: Fernanda
Aluna: Rosa Ramos Regis da Silva


3a  Avaliação.

1 – Relacione as seguintes idéias:
Universo – conhecimento – homem –
mosca – verdade – metáfora.

O homem se acredita
Como dono do saber
De uma verdade inaudita!
Ou seja, do conhecer.

Se acha muito importante!
Do Universo, o centro!
E tudo e todos têm que estar
Sempre a ele atentos!

Mas, diante do universo,
O que é ele, afinal?!
Um sopro... um pequeno fôlego...
Que nem chega a ser real.

Seu pensar de nada vale!
Nenhuma importância tem.
Diante da imensidão
Do Universo, ele é quem?!

Tem o mesmo valor da mosca!
Que também pode se achar
Como o centro do Universo
Quando está a voar.

É, pois, de se admirar
Que um ser intelectual
Possa pensar que é dono
Da Verdade Universal!

Pois, se ele mesmo as cria,
De uma forma metafórica,
Dando nome às coisas, sem ver
E sem ao menos ter uma lógica!

Oh, homem inteligente,
Não sejas tão petulante!
Seu intelecto só diz
Ser você um ser pensante!

E já que você não tem garras,
Ele o ajuda a lutar
De uma forma consonante
Com o seu modo de pensar.


2 – Explique:  “O conceito nasce
da igualação do não-igual”.

Esquece-se as diferenças
Das formas individuais
Que existem em todos os seres,
Animais e vegetais:
Tomando-se um representante
Como se todo o restante
Fossem a ele iguais.

É assim que surge o conceito
De forma muito arbitrária
Mas, por todo mundo aceito.
Onde o não-igual se iguala
A um individual
Que, em nossa mente, está
Representando o geral.


3 – Explique:  “Somente por
esquecimento pode o homem chegar
a supor  que possui uma verdade”.

O homem usa a linguagem
Que ele mesmo criou
Como sendo "lei" ou "norma"
Para nomear as coisas,
E em verdade a transforma.

E com a linguagem metafórica,
Que é transformada em "lei"
Como fuga da mentira,
E que num "acordo" de faz,
Vira palavra de rei.

- Ora!... A verdade é esta!
Diz ele. É que esqueceu,
Certamente, que foi ele
Quem a criou e elegeu!
E que, de forma arbitrária,
Nome às coisas ele deu.


4 – O que entendeu por ïntelecto livre”?

O intelecto está livre
De usar abstrações.
Não se guia por conceitos,
Apenas por intuições!
E deixando de ser escravo,
Desfaz-se das ocupações.

De uma forma disfarçada
Brinca e cria com prazer,
Entrecruzando as metáforas
Que lhe ajudam no lazer.
E está satisfeito com a vida
Da forma que ele a vê.



(Terceira Avaliação da Disciplina:   Exercícios de
Análises Filosóficas,  no 2º período do Curso de
Filosofia Licenciatura Plena, da UFRN, no ano de l999).
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 11/06/2006
Código do texto: T173726
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Regis
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 67 anos
383 textos (153698 leituras)
1 e-livros (7 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:41)
Rosa Regis

Site do Escritor