Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Barganha

Oh meu bem, dê-me teu coração!
Agora, se não puderes, por piedade,
Deteriore em min a frustração,
Mesmo que com tua sádica maldade.

Não sou pura; fiz-me água barrenta do rio
Cujos peixes, sábios, abandonaram.
Busco em ti somente o desafio:
Recobrar afetos que os dias me roubaram.

Nunca colhi flores em teu louvor.
Pelo contrário, compadeço-me delas.
Quando lhe vejo chegando, com sabor,
Tranco, de imediato, todas as minhas janelas.

Quero de ti, unicamente, a recompensa
Para todas as dores de minh´alma aflita.
Depois de saciada, meu orgulho é que pensa;
E o seu carinho, em verdade, não mais cogita.

E assim, barganhando carências, sorrimos.
Atores fúteis de um teatro horrendo, bestial.
Sigo ao teu lado para, unidos, mentirmos;
Dejetos mal-cheirosos da utopia sentimental.
Roniel Oliveira
Enviado por Roniel Oliveira em 15/06/2006
Código do texto: T176066

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roniel Oliveira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
56 textos (3144 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:34)
Roniel Oliveira