Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Versos a um poeta maldito

No castelo onde me enclausuro,
Não há lírios nem petúnias que alegram;
Habitam morcegos e corujas
Que compadecem de minha solidão.

Nas paredes de meus quartos,
Taciturnos recantos poéticos,
Desenhos abstratos incitam a duvida.
- O silêncio grita nomes mortos.

Caminho, sem razão, de um a outro lado.
Leio um romance antigo, bebo um gole cancerígeno,
Atribuo minha derrota a fatores inexistentes e, mentindo,
Tento enganar-me de que tudo segue uma trajetória comum.

Gostaria de rezar, porem, não creio.
Perdi a ilusão dos insanos na eternidade
E, agora, fico debatendo minha carcaça
No mar soturno do não-querer-mais-nada.

Espero, sorrindo, que meus olhos percam o brilho
E que minha solidão paralise no emergir do tempo findo.
Teimo, num instante de volúpia, em crer
Que minha vida é coerente com minha escolha;
Acredito, piamente, que minha vida é um livro
Que um poeta maldito teimou em não editar em vida.
Roniel Oliveira
Enviado por Roniel Oliveira em 16/06/2006
Código do texto: T176576

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roniel Oliveira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
56 textos (3144 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:41)
Roniel Oliveira