Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MATO AD ENTRO – 5


NÃO ADIANTA SEGURAR E SEGUIR O PRÓPRIO RABO...
______________________________________________


O governo é muito bom!
Ajuda os favelados,
os pobres pelados
e os oprimidos do nordeste.
Faz das nossas belas cidades
cenas de filmes de faroeste.
Padres pecam
podres pecados.
Cordas penduradas postes iluminados,
Vida triste e amargurada,
corpos dilacerados
agonizantes
cambaleantes
desesperados.

Uma ponta daquela corda
presa no
p i c o
             d o
                        j a r a g u á
e

a     o u t r a     p on t a,
                                               no rabo
                                                                   de um marajá!

Enquanto isso assistimos
filmes, as folhas caem,
balançam-se em redes imaginárias,
e nós,
boquiabertos,
adormecidos
dentro da cidade:
_mudos!
Não compreendemos nada sobre o mundo!
Como uma flor enclausurada
presa numa gaiola
trocada por um pássaro
raro e caro.
Não há amantes andando no deserto,
a noite está muito fria...

Fria noite em que
todos dormem
enquanto bebo
e caio pelas calçadas e ruelas da Barra Funda.
Sento-me, sozinho,
refletindo sobre as estrelas cadentes que invento no firmamento.
O asfalto está gelado,
olho pra flor na minha lapela
(aquela mesma que ainda continua comigo estrada afora).
Adormeço!
Dorme o poeta
com o copo sombrio na mão,
adormece o poeta
abraçando sua solidão.
Somente o poeta
sabe a profundidade do seu enigma...
_das madrugadas e mulheres, estigma,
nada se sabe.
Na manhã seguinte é que notei
o rouxinol
morto dentro da gaiola,
ao lado da flor ( agora murcha e despetalada).
A cidade ainda estava cinza
banhada de uma aura azul turquesa.
A cidade ainda cheirava
seu cheiro de espanto,
e o perfume exalado dos deuses,
_ a sua maior riqueza!
Enquanto houver esperança
haverá no mundo
aquele
começar de novo.
Há a ver
há a verá
almas no mundo
desde o princípio
do nada
Há a ver
haverá
começar
almas expandindo e esclarecendo sonhos.

Poderemos morrer primeiro... e nascer depois:
justos e perfeitos?


AVIENLYW
25/10/1983
WILDON LOPES
Enviado por WILDON LOPES em 18/06/2006
Reeditado em 26/11/2009
Código do texto: T178071
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ("você deve citar a autoria de AVIENLYW e o site www.wildon.com.br"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WILDON LOPES
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
269 textos (14455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:44)
WILDON LOPES

Site do Escritor