Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Idealidade

Vejo o mundo ruir frente aos meus olhos e,
Num constatar passivo,
Interajo com a miséria.

Não planto flores em terrenos baldados.
Pelo contrário, quero vê-las crescendo em solo fértil,
Emergindo fortes e exalando perfumes.
Porem, no meu romper de auroras,
Eu agasto os olhos de quem eu mais queria iluminar.

Mesmo assim, teimo em dançar contra a valsa.
Jogo meu peito contra as ondas e, sem medo,
Travo uma luta desigual contra o mar.
- Mesmo sabendo de sua fúria impiedosa.

Escrevo frases sem nexo; subverto regras.
Anuncio revoluções e morro por tiros de minhas próprias armas.
Não almejo condecorações honrosas, bustos em minha memória
Ou camisetas com o meu rosto estampado... Isso tudo é tão fútil!

Quero simplesmente que a dimensão de meu modesto haicai seja,
Se possível for, compreendida não com a grandiosidade de um romance épico,
Mas com a leveza de um poema de escritor-aprendiz.
Porem, se de outra forma, prefiro não respirar; desejo, simplesmente,
Que o meu corpo silencie.
Roniel Oliveira
Enviado por Roniel Oliveira em 24/06/2006
Código do texto: T181772

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roniel Oliveira
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
56 textos (3142 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:02)
Roniel Oliveira