Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sou seu H.I.V.

Divirta-se!
No seu momento de distração,
Transcendência, gozo e alucinação.
Sutilmente penetro na sua fortaleza
Injeto meu vírus. Aí, que beleza!
Demoro um tempo para ser percebida
Quando perceber já estou acabando com a sua vida
Vou acabando com sua imunidade
Como corda vou amarrando seus braços
Deixando-te sem mobilidade
Seus glóbulos  vou matando sem piedade
Sou poeta destruidora de alienação
Saudando minha ancestralidade
Combatente, militante contra a padronização.
Onde diz que só a loira é bonita
E que o feio está em mim
Enganou-se, pois, sou descendente de Zumbi
Resistente que nem Anastácia
Liderança feminina feita a Dandara
Posso organizar um esquadrão
De talentos marginalizados assim como Luiza Mahin
Na revolta do Malês linha de frente
Posso me incorporar com marinheiro
Dominando as náuticas João Cândido guerreiro
Ainda continuamos nos porões
Lixo, esgoto, escravidão e senzala
São heranças que nos foram deixadas
Iguais a mim existem vários na missão
Organizando-se, se armando de informação.
Para vocês somos algo negativo
Como o vírus do HIV no organismo
Cada dia mais vamos nos fortificando e se proliferando
Somos veneno e não temos antídoto
Espalharemos a destruição
Destruiremos essa herança escravocrata
Estrutura capitalista, racista, exploradora, deturpada.
Ah! Se achar que acabou se prepare.
Pois agora irá ouvir o que nos tem fortificado
Foi o seqüestro que me trouxe a esse continente
A condição desumana que fui transportada junto aos dejetos
Os estupros como se eu fosse um animal
Os ferrões no meu corpo simbolizando que agora eu era seu objeto
Seu brinquedo vivo de certo
Sou nascida de sangue, suor, lágrimas
Acuada, desprotegida como rato na frente de um gato
Minha religião foi amaldiçoada, e a sua dizia que eu não tinha alma
Dominaram minha língua e impuseram a de vocês
Como se a minha nada representasse
Meus seios cheios de leite por seus filhos eram sugados
Enquanto os meus bebês morriam de fome e maus tratos
E assim fui nutrida com a ajuda dos orixás
Resisti até aqui no século XXI
Sendo que na minha casa falta o pão
Na infância faltaram-me os brinquedos para a diversão
Fui crescendo alimentada pelo descaso
Pela fome, pela negação de oportunidades
Sem políticas públicas, sem escola, sem faculdade
Hoje quero reparação, mesmo que não apague as chicotadas
Quero vida decente para a futura geração
Sei que vocês continuam se achando superiores
Mas não se esqueça que sou seu HIV
Estou entrando devagarzinho e levarei aos poucos
Tudo que nos foi roubado.
MJIBA
Enviado por MJIBA em 20/05/2005
Reeditado em 15/04/2006
Código do texto: T18299
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MJIBA
São Paulo - São Paulo - Brasil, 33 anos
26 textos (3237 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:07)
MJIBA