Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ZÉ QUÉ Í PRU CÉR...

UMA SINGELA HOMENAGEM A UM MATUTO QUE CONHECI...

Daquelas manhã bem chuvosa
Qui ispanta inté gata manhosa
Maria chamô u Zé
Deu seus gritu insurdecenti
Parecendu busca-pé
E o pobre nem si mecheu
É qui tava mortu u Zé

Saiu du corpu sem rumu
Magru feitu pau fe fumu
I num sabia u qui fazê
Vô pru cér e peçu bençaum?
O vô pru infernu sofrê?

Como matutu marotu
U zé foi te prosa nu cér
Por lá incontrô São Pedru
Homi barbudu di dá medu
Parecendu Coroné
I foi logo si ixpricandu:
To aqui pedindu arregu
Da vida sofrida i pelegu
Lá imbaixu num tinha nada
Era eu, Maria i aquela gata safada
Num tinha nem u qui cumê
Além dus Calangu e Saruê
I cum u sór rachandu a caatinga
Nem água pra modi bebê
Num tinha banhu tumém
Molhava só u qui usava
Aquelas parti mais profunda
Orvidu, Pé e as vez a Bunda

São Pedru, homi coerenti
Recebia muita genti
Cum as mesma expricação
Vortô-se pra mim e disse:
Contá mintira é burrice
Si veiu nu cér pra ficá
Tu vai te qui miorá
Cum essa história mané
Num entra aqui Juão nem Zé

Caiu pras banda du infernu
Lugar quenti pra dedéu
Mas antes deu um pulinhu
No seu pobri Marzoléu

Nu infernu viu u capeta
Vremelhu qui dava dó
Foi logu lhe preguntandu:
Tem lugá pra essi bocó?

U capeta infurecidu
Lhi ispetu o carcanhá
Num gritei, só um gemidu
E dissi:
Vai te daná

Vortô di novu pru cér
Pra modi lá prosiá
São Pedru tava di forga
Era a chanci di tentá

Quem é ocê óh meu fiu
Magru, feiu e maltrapiu
Fala logu u qui pritendi
Pois atendu a muita genti

Escuta aqui u seu santu
Num pricisa judiá
Será qui carsu tantu ispantu
Pro teus óiu isbugaiá?

Pur pena ti dexu entrá
Mas tem dívida a sardá
Dexô na terra Maria
Di vida fácer i putaria

Ô caboclu safadu
Mais respeitu i olhi lá
É mió ficá caladu
Sinão tuas asa vô quebrá

Disoladu novamenti
Foi nu infernu pará
Mais antis vortô in casa
I viu Maria a puntanhá

Êh diacho di Maria!

I u capeta orviu:
Fala cornu, u que qué
Queru ficá mesmu aqui
Achu qui é lugar bão
Já fui nu cér duas vêiz
Falei cum Pedro e u tar Juão
Nas duas vez fui barradu
Fiquei mesmu injuriadu
I pur issu seu Diabu
Ficu quietu e caladu
I peçu só um cantinhu
Pra vivê u meu mundinhu

Hoji num tem cantu não
Nem pra tu nem pra ninguém
Maria já vem chegandu
I u seus machu tumém

Qui raio di morti é essa
Nenhum lugár mi aceitô
O racinha injuada
Vô virá arma penada
Cornu, pobri e imundu
Carça suja e fedô
Vô assustá muita genti
Inté quem sabi, di repenti
Arguém por mim si conduê
Pois cantinhu queru tê
Ou nu infernu ou nu cér
Nem qui só mais uma vêiz
Mi dê na loca di morrê.
O Guardião
Enviado por O Guardião em 27/06/2006
Reeditado em 20/09/2006
Código do texto: T183135
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 51 anos
364 textos (34435 leituras)
13 áudios (2409 audições)
2 e-livros (1988 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:44)
O Guardião

Site do Escritor