Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nonna

No longíngüo quintal da nostalgia
uma imensa figueira, videira
verduras, legumes, temperos
limoeiro, abacateiro, romãzeira
poço de água fresca
galinheiro, barracão entulhado
e a imensa presença de minha avó.

Vestida de preto viuvez
da família vovó era o general
tamancos de madeira, pés rachados
sotaque, rosto liso e rosado
birote na cabeça, avental desbotado
seus largos quadris empinando
para ervas daninhas arrancar.

Os netos corriam, brincavam, brigavam
disputavam milho para galinhas e patos
colhiam ovos, ninavam coelhos
vaticinados para o repasto pascal
tumultuado era o momento do sacrifício
em que o carrasco era meu pai
e as crianças chorosas, trancadas no quarto,
suplicando pela vida do pequeno animal

Missa do galo, noite de festa
na quente madrugada do mês de dezembro
todos na rua, abraços, saudações
sexta-feira, procissão de Cristo Morto
hinos, velas, orações
disfarçados flertes juvenis.

Domingo,
macarrão caseiro, vinho à mesa
recusá-lo? Nem as crianças poderiam
visitas, conversas, risadas
um tio ranzinza para a discussão iniciar
no final da tarde, café e histórias para contar.

Um dia,selaram o poço
cortaram a figueira, videira secou
desmontaram o galinheiro, barracão ruíu
o quintal foi cimentado, ladrilhado
confinada, agora, em um álbum de fotos
minha vó caminhou para nossa recordação
deixando-nos em um tempo que eterno ficou.



vitória Paterna
Enviado por vitória Paterna em 01/07/2006
Reeditado em 15/07/2007
Código do texto: T185414
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vitória Paterna
Santo André - São Paulo - Brasil, 63 anos
133 textos (8672 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:32)
vitória Paterna