Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEVANEIOS

Os mundos perambulavam vagarosamente sobre si,
as pessoas estão sob esse firmamento abrupto
e debaixo dos mares vermelhos
estão os arcabouços doentes
daqueles desgostosos falecidos embriões deformados.
A estrela filha, fazia fila figurando no fulgor
a imagem exacerbada do contingente excessivo
forçado a ser forte
e não temer a fúria marítima
no período de Artêmis Repleto.
Durante muito tempo
ficou proibida a caça de asteróide,
mas numa determinada eventualidade
ele foi capturado.
Depois daquele dia,
quase noite,
em que devaneios devoraram doutores dementes
durante um duelo divino
no abstrato céu de deletérios
convencidos de que serpentes detestáveis
e descartáveis descobriram a verdade doentia,
mas o que houve foi que o verme
que viu a viúva ser violada,
violentada e mascarada com o pano negro,
aproveitou-se do momento
para desossar aquela figura desfigurada pelo tempo.
Já jovem, jurou jamais jurar,
mas jurou por si mesmo
que não foi ele
o responsável das jornadas nas estrelas,
batalhas travadas, destravaram as espécies especiais
expostas nas costas,
das quais a lentidão cedeu lugar
ao imponente flash das câmeras fotográficas,
introduzindo assim, num simples rascunho de papel
a mesma desfigura envelhecida.
Permaneciam penduradas pelos pergaminhos perversos,
 palavras perigosas pouco populares
que foram usadas inadequadamente
pelas bocas imundas inundadas de pouco conhecimento
contra a subsistência do amor,
traindo assim a experiência de amar.
Chocado com a clareza conturbada
 na calada da madrugada,
não foi fácil ter certeza de que a luz foi fortificada e escurecida,
para dar a impressão de que não era preciso ver,
se só bastava acreditar,
de modo que assim sendo,
convinha naquele momento verificar a autenticidade,
evitando não tropeçar e prevenindo seus olhos de um choque visual.
Perguntas são resquícios, palavras são versos
e a fagulha está apaziguada,
 repudiando a boca incerta,
 no equívoco sobre a mesa,
 quando tive a peripécia de deixar uma folha esbranquiçada.
Estas são as palavras deste verso que confesso não conheço,
mas sempre o vejo incutido nas páginas de meu saltério abstrato
 que esteve sempre na primeira coluna da última prateleira
do terceiro corredor da única biblioteca
da segunda casa da sexta rua
que dá de esquina com a quinta avenida
a começar da sétima praça da cidade que inventei.
Os versos ficaram espreitando tudo isso
e quiseram estar também engranzados nas páginas antigas amarelas,
mas pena que o vento os aboliu de tal indecisão
e não puderam estar presentes no holocausto
das palavras perdidas
que foram os motivos da corrupção do Abecedário Galegos.
Perguntas não vão adiantar,
as palavras não vão ser respondidas pelos versos duvidosos
 e ansiosos destes que querem se propiciar das respostas alheias
e deduzir dos outros o seu sucesso fraudulento,
mas serão reivindicados ao mesmo, tal responsabilidade inútil
quando o seu olhar desviar-se para cantos indefesos de sua própria ânsia comovida por uma necessidade imbecil no seu mundo imaginário.
Olhos que nunca foram seus, mas eles muitas vezes a olharam,
você pode tê-los mas nunca os quis.
Em quanto eles estiveram inertes
não foram capazes de acordar de seus devaneios
porque o mundo estava carente da então responsabilidade frágil
que esteve o tempo todo fora de órbita
da mesma forma que a estação de rádio não foi possível ser sintonizada naquele instante mais preciso.
Depois de um certo intervalo,
depois que puderam descansar um pouco,
as pálpebras retrocederam para a superfície mais alta
e nesse momento era possível ver,
era necessário também enfatizar as palavras doces,
como ‘açúcar’ sendo sacarose.
Também convinha esperar um momento a mais
para decidir melhor sobre tais respostas ausentes
e doentes que foram preservados de lesões
 pelos pensares embora embravecidos.
Respostas não serão dadas pelo seguinte motivo:
_as perguntas não foram inteligentemente feitas
e assim só nos resta dizer que fracassamos
 e teremos que nos despedir das folhas embranquecidas
da mesma forma que nos despedimos da luta que já vencemos
e recebemos das mãos mais respeitadas as justas medalhas de ouro
por um título que nos foi dado há décadas à frente.
O público presente percebeu de forma ponderada e deu sua sentença
já com os indevidos preconceitos meramente indagados de forma  medíocre
e perspicaz ao mesmo tempo.
E com isso minhas respostas
juntamente com as perguntas que surgiam nos versos súbitos
que meus lábios propiciavam
foram degradando um a um que ali estava presente
e seus ouvidos podiam sentir cada letra do Abecedário Lusitano
fadigar seus tímpanos com os absurdos
que poluíam as páginas de meu saltério laranjadas pelo tempo.
Fui saindo dali como um morcego ao amanhecer,
mais deixei o silêncio como resposta às perguntas incrédulas
dos falsos fiéis e deixei introduzido no acústico do ambiente
as minhas perguntas que não foram atendidas
e enfim deixei também os versos tépidos
ocupando o canto de cada olho que ali permaneciam abertos
quando me reservei a uma paragem mais calma.
Deixei asilada com os resquícios das fagulhas
a minha alma despida na lareira de minha modesta ilusão
que esteve mórbida por tanto tempo nos pensamentos errôneos
que me impediram por muitas vezes vencer.
Perguntas nunca vão adiantar
e você precisa perceber que poderes sempre comandarão
e ele me comanda agora,
que a verdade é raramente revelada
e os devaneios estão sempre guiando os meus pensares
e meus sonhos são fantasias.
Surgiu iminente como a estrela da manhã pela cordilheira,
surgiu e pairou quando eminente se mostrava erguido
no firmamento íngreme paralelamente ao oceano,
 e logo que se viu emergido imergiu-se de vez no conhecimento divino
onde descobriu quem verdadeiramente era
e imediatamente procurou ver seu reflexo emitido pelo cristal miserável
na superfície de um lago negro
e pôde pelo milagre da vida
através da visão notar que tinha cabelos longos e olhos claros,
mas o que realmente importava,
ele não conseguiu ver, pois a alma é invisível.
Minha insanidade não foi capaz de tal triunfo
mas cometeu uma garfe quando pela sanidade notadamente
indagou-se sua ignorância insensata,
pois sua inteligência permanecia completamente na reminiscência do passado e não era possível o seu resgate.
Quando menos, quando mais,
quando mais ou menos,
quando em fim, quando por fim
e até que em fim que você quer que eu pare com essa prorrogação
e vá logo a tal prerrogativa que tanto se almeja conquistar,
mas você não se atormente com o que lhe quer perturbar,
não se importe com  o que não lhe vem ajudar,
pois ou você vem com as mãos armadas ou com o mundo amarrado nos pés ou você terá as mãos embaraçadas nas correntes do mundo de pessoas
que lhe quer extrair e a vosso Reino nada.
Mentiras, é tudo o que ronda a política mundial,
onde a diferença social não atinge a alta sociedade
e degrada o pulmão do mundo,
e degrada o rim,
o tímpano,
 o fígado,
os ossos,
 a epiderme,
 a derme,
o esôfago,
o pâncreas,
a laringe,
a língua... etc.
A língua ainda viva propicia as palavras necessárias,
mas pena que não são corretamente interpretadas
e acabam entrando por um ouvido e saindo expectoradas pelo nariz
de maneira anárquica.
Muitos ideários são desta maneira dissipados
e o logro fica mais nítido de modo que desistam e se tornem fracassos, pequenos grãos de areia que foram levados junto com a poeira desértica naquela sombria madrugada para nunca mais serem vistos.
Pena... que pena da pena daquele passarinho brando
que ficou abandonado, também foi levado pelo vento.
Há! se a pena pudesse voltar para o passarinho
 e as asas nos fizessem voar pelas idéias outra vez
e rever tudo e com tudo porém embora...
‘se é se’
e nada mais pode ser como antes,
só poderá ser como amanhã
e é como agora está sendo!
Da mesma forma e de dessemelhante maneira
 que a deformação e a organização
dos governantes do planeta foram e acabaram deixando de ser
é que será e poderá continuar,
pois é dessa maneira e através de seus ideários egoístas que esperamos um dia viver num país democrático consolidado socialista ao mesmo tempo. Chegando ao fim percebi a bagunça que rondava  cada rodinha de pessoas que se reuniam para chorar seus desagrados
 e enxugar suas lágrimas no manto do companheiro.
Percebi que eles estavam a todo tempo falando
de tudo o que não era bem vindo e se esqueciam de agradecer o raiar
e o pôr da estrela,
a chuva e a terra,
o plantio e a criação,
esqueciam de agradecer pelo ar e reclamavam de andar a pé,
 inventaram então máquinas eliminatórias do que destrói o essencial
e os transportam de longas distâncias em segundos apenas.
‘Meus olhos meus’
que me observavam eram desafio e reluziam ao fim do dia...
 fico aqui inerte e alguém se diverte,
já não sei o que fazia, nem o que fazer,
talvez tenha coragem de fugir,
mas fugir é acovardar com a realidade,
e não é preciso ter coragem,
assim eu vou infiltrar-me dentro de mim numa batalha,
e vou vencer...
olhando nos meus olhos vendo-me falecer,
como um excêntrico eu me vi sendo olhado
e não devia me olhar.
Agora esses espelhos que com sensatez vejo-me renascer,
pois com a ilusão que me fez sonhar,
descobri a verdade que me fez calar no instante forte do combate;
 eu duelava a mim mesmo,
e não sei qual parte de mim me venceu a outra.
Novamente em frente ao demente espelho
que confundia meus neurônios,
pude ver a face de minha face
que me fascinava
e devorava meu olhar
com os olhos fugindo pelo canto daquele retrato ambulante e virtual,
que acompanhava meus movimentos
e me vigiava ao mesmo tempo em que eu fazia o mesmo.
Depois, meus olhos queriam se fechar,
eles pareciam mortos, eu via uma flor surgir...
 eu posso vê-la, mas vê-la não me contém,
aqui dentro há sofrimento, e sendo assim já não posso mais fugir,
e me equivoco nos embaraços das palavras,
piscando as pálpebras eu penso...
 e não consigo deixar de pensar,
nas lacunas que vão formando aquela imagem,
não me agüento e começo novamente a me olhar,
sei que muitos eram meus olhares,
mas o que me importava não eram esses olhos,
 e tudo ficou tão assustador, entrei em conflito
e apenas o verbo do amor conjugado na minha pessoa
seria o fim do meu pudor,
 e tudo acabaria ali, eu olhando para meus olhos que me olhavam... mas aí que me enganei.
Enquanto ainda o demente me seguia sem que pudesse me afastar
fui capaz de esquivar-me de seus mortíferos olhares
depois que tive a idéia de usar meus óculos escuros.
Tive receio de ser vencido,
mas venci o medo e venci também a batalha comigo mesmo.
Como um pássaro ferido não pode voar ali estava eu,
preso pelo meu próprio olhar e minhas próprias incertezas,
 minhas fraquezas...
eu me sentia cruel depois,
e me sentia vencido também,
no mesmo instante que tinha a certeza que havia ganhado.
Meus olhos encontraram em pouco tempo obstáculos pela frente,
não como um olhar desafiador, fogoso, ou a escuridão,
mas um olhar estúpido que tentava me seduzir por caminhos contrários e me levar ao precipício de meus sonhos.
Eu esperava com ânsia, o momento certo, para tentar naquele instante, uma bonança, que traria o saber no futuro,
que me conduzisse amizade na vida e na felicidade,
podendo com mais calma, admirar os olhares da vida.
Seria benévolo um olhar mais nítido,
pois o partindo em duas metades,
 teríamos a verdade manifestada sob olhares atentos
daqueles que nos observam e nada fazem senão nos viciar,
nos induzir observações sempre,
tais como: a que te observa.
Damaso
Enviado por Damaso em 04/07/2006
Reeditado em 17/03/2011
Código do texto: T187189

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Damaso
Rio Manso - Minas Gerais - Brasil, 34 anos
326 textos (17039 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:36)
Damaso