Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desabafo de Comadres

             Desabafo de Comadres


Na fila da Caixa Econômica Federal tive a oportunidade de ouvir, entre duas mulheres, a seguinte conversação:
- Cumadi, tu arrecebeu?
- Qui arrecebeu qui nada! Tô lascada di fomi i ainda pu riba num tem um tustão furado pa mode tumá nem mermo um café.
-É injustiça cumadi. Elis só fais isso cum nóis pruquê num tem inleição agora. Mar deixa istar, dô di barriga num dá só uma veiz não... né mermo? E a besta aqui num cai nouta não.
- Ôxente muié, no tempo qui é pa gente votar todo dia tem um dotô na posta da gente, i é castão pá isso, castão paquilo, castão paquiluoto; tudo é fácil na boca delis. E elis num arrepara nada: nem grude di minino, nem sebozeira di casa , nem  si a gente é pobe, nem catinga di merda nus terrero.É tudo alegi cum zozoto. Pobrema num inzisti... tudo é céu. Ninguém tem bondade cum nada. Abraça nóis, come du nosso feijão fumaçado, bebi água du nosso poti, dança nus terrero de chão batido.... faiz de tudo qui si imaginar. Adispôis da inleição disaparece. Acabou as andança, num cuience mair ninguém e adeus tia Chica.
-É isso mermo, cumadi! Num pricisa mais di nóis, já tá tudo no bem bom i nóis qui si lasqui. Ninguém qué sabê di prisisão dozozoto.
-É brincadeira, cumadi! Saí di casa de meian, só cum gole de café preto, na isperança de arrecebê a tal da bolça iscola. Cheguei aqui, isperei , isperei...num sei quantas horas nessa fila sem fim e a muié da caxa dixe qui num tem nada pa mim arrecebê.
- E eu, cumadi, nalém de num arrecebê nem uma pataca, nacabá vou pagá passagi e chegá nu meu rancho de bucho seco e mão abanano.
-Isso é coisa qui si faça cum cristão, cumadi! Nem liga se produjica a gente.A gente se alevanta cedo cum o raiá do sol, pa mode pegá o carro e dá a viagem perdida. As coisa pá meu lado num amiorou nada, só apiorou. Vote diacho!
-É cumadi, premessa só ar de Cristo. O resto é tudo resto. A merma coisa. Mardita hora qui eu votei pá seus fulano. O mió que eu faço é agarrar a merda do meu Tito e dá fim a eli, jogá nu mato.
-As coisa é assim mermo, cumadi, é pá uns i pá otos não! Vumbora, muié, vamu caçar um cuincido pur aí. Vá vê nóis topa cum quaquer pessoa lá di nóis, do nosso cuincimento e nóis bebi um cafezim e arranja trensporte pu mode eu vortar cum hora de cuidar de minha luita de casa. Lá num tem nem quem lave os terém.
-Vamu. E si Deus quizé nóis passa sem essa poicaria. Si Deus quizer , cumadi, vamu tê um bom inverno e vamu tirá nossa barriga da misera. Quem ispera pur Deus num cansa.
-Deus é pai, num é padasto não! E cum fé neli, no meu padim padi Ciço e no meu padim Frei Damião a fastura vai sê grande.
Confortadas pela fé, saíram as duas em busca de algum amigo ou parente. Senti vontade de me aproximar para oferecer-lhes um lanche, mas temi ser mal entendida pelo fato de discutirem sobre política partidária, exatamente num local público.Talvez tenha pecado por omissão, pensando evitar um mal entendido.

Marineusa Santana
Brejo Santo- Ceará, 05/07/ 2006.
marineusa
Enviado por marineusa em 05/07/2006
Código do texto: T188193

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (marineusantana@hotmail.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
marineusa
Brejo Santo - Ceará - Brasil, 71 anos
1726 textos (322768 leituras)
39 áudios (29264 audições)
18 e-livros (9104 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:44)
marineusa