Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mandalas


Como posso ir sem ter que me levar
Se indo para onde eu for, não tenho como me deixar?
Se pudesse esquecer-me-ia
Já em qualquer esquina que eu dobrasse
Como quem deixa para trás
As coisas que em mim mesmo não mais cabem

E pelos caminhos as deixo...
Oh sim,
como as deixo

Em cada trecho desse caminhar um eu mesmo
Se vai no sumidouro sol poente
E o eu que segue, a sí não se leva
descobre-se não perene
Como na época de se conduzir com ares de inocente

Das mesmas coisas, ficam os entalhes n’alma em baixo relêvo
A desvelar esculpidas linhas de uma vida
Desenhada e desdenhada em memórias que se apagam

Hoje é só um agora que agora mesmo já passou
Só me resta a mim mesmo
até que de mim nada mais reste...
Nem mesmo uma prece
A ser bem dita
como se fosse o último fim
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 14/07/2006
Reeditado em 05/09/2007
Código do texto: T194064
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:33)
leandro Soriano