Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
PRIMEIRO DE ABRIL

Em matéria de primeiro de abril, minha mãe só perde mesmo pro Governo Federal que vive passando primeiro de abril em todos nós o tempo todo, em qualquer dia de qualquer mês.

Meu pai, muito ocupado para ficar prestando tento nestas peculiaridades de pouca ou nenhuma importância do nosso calendário, era o alvo preferido de minha mãe. Num primeiro de abril andou oito quilômetros para castrar um porco no terreiro de uma família recém chegada ao bairro, que não criava nem galinhas. E qual não foi o susto da dona de casa quando atendeu ä porta e o meu pai foi anunciando:

_ Seu marido tá in casa?
_ Tá sim.
_ Chama ele. Vim capá o bicho!

Num outro primeiro de abril, D. Maria arranjou uma injeção pro  Sô Ismael aplicar a nove quilômetros de distância. Depois de preparar toda a sua parafernália de enfermeiro comunitário, desinfetar seringa e coisa e tal, lá foi velho. Em lá chegando, não encontrou ninguém da família, sendo informado por um dos vizinhos que a todos viajaram em gozo de férias e de muito boa saúde, para o litoral.

Mas Sô Ismael era homem de se irritar por pouca coisa? Não, não era. Ficava um meio dia de cara assim,  meio amarrada, sem conversar e ignorando as ironias da prole, tipo:  "Ô pai, o moço melhorou com a injeção?" Mas daí a pouco era o mesmo homem, conversador e contador de causos.

Da última vez, minha mãe tirou o velho da cama äs 06h00 da manhã de um primeiro de abril, inventando-lhe "uma porta pasa assentar na casa de compadre Tinoca". Ora, compadre Tinoca, não pedia, mandava! Era amigo do peito! E lá se foi meu pai com o seu alforje de couro entupetado de ferramentas, cabo do formão sobrando pra fora e o serrote grande sobre o ombro direito,  a balançar para cima e para baixo ao compasso dos seus passos.

Daquela vez, estranhamente, meu pai não voltara logo. Já eram 14h00, e nada! Minha mãe já começava a ficar preocupada, quando o Sô Ismael velho de guerra apareceu na curva da estrada em complicados zigue-zagues. Daquela vez, chegou falador.

_ Pois é, cê quis passá primero de baril ni mim e se danô. Cumpadre Tinoca tinha matado um porco e, aí, nós ficô lá bebendo golo e jogando truco até agora. E a cumadre Maria falô assim, que se ocê quisé  aproveitá as tripa pra fazê choriço, é pro cê i lá, purquê ela não vai mexê cum isso não.

Minha mãe armou-se de bacia, foi até a horta, colheu salsa, cebolinha, pegou canudo de talo da folha  de mamão pra assoprar ar as tripas e desceu a rua. Chegando ä casa do Compadre Tinoca, encarou a cara de espanto da Comadre Maria e foi logo dizendo:

_ Vim fazê o choriço, Comadre!
D. Maria de Tinoca, ainda surpresa, perguntou:
_ Uai,  comadre, que choriço?

Foi a vez de minha mãe ficar o dia  todo sem conversar com ninguém. Vez por outra, meu pai entrava na cozinha ainda curando a sua bebedeira e exclamava:

_ Tomô, mula véia?

silasol
Enviado por silasol em 25/07/2006
Código do texto: T201360

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CITE O NOME DO AUTOR E LINK PARA A OBRA ORIGINAL). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
silasol
Sabará - Minas Gerais - Brasil, 65 anos
653 textos (73312 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:40)
silasol