Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MUNDICO

Mundico

Seu nome poderia ser qualquer um. Mas seu apelido seria “Mundico”. Tinha que ser. “Mundico encaixa, soa bem, tampa e estampa na cara, na testa ou em qualquer lugar”.
É um sinal, uma mancha, uma marca.
Verdade seja dita: Raimundo tem a cara de “Mundico”. E o jeito também.
O jeito é de um sujeito desajeitado, bom pedreiro, bom de papo e, principalmente, bom de “golo”. Na bebida é fera – na verdade, ele já tem cara de tira-gosto. A gente olha para a “peça” e sente vontade de tomar  “uma”. Uma não, umas! E a gente toma.
Não é que somos sacanas, mas se ninguém “judiar” dele, ele acha que é pouco caso.
Um dia, quando ninguém lhe dava “bola”, ele começou a beijar um cachorro e  tentou comer pedras.
Quando íamos acampar, ele fazia a festa: comia pão com ovo recheado com milho de pipoca ou com estrume de boi ainda quentinha ( é claro que um sacana fazia o tal sanduíche ). Tomava uma cerveja e umas pingas para descer e ainda pedia mais. Esse era o primeiro fogo do dia.
No segundo, acordou todo amarrado na cama, com uma loura bonita chamando-o e ele sem poder nem se mexer.
No terceiro, ficou sem a barba da banda direita da cara e sem o bigode da banda esquerda. Tais penugens nunca haviam sido tiradas em mais de trinta anos de bobo que é.
Num aniversário,foi levado pela polícia e trancado na cadeia. Passou um aperto danado, o coitado.
Foi tudo armação dos “amigos”.
Como bom pedreiro que era, já levantou um cômodo sem porta e sem janela e ficou preso dentro dele.
Já fez um serviço para um amigo sem sair do quarto: tudo lhe era dado conforme a necessidade, inclusive uma lata para urinar, porque estava “enrolando” e o serviço não rendia. Sendo vigiado, o serviço rendeu e a obra terminou.
Enfim, o “pecinha”, “peça” ou “oreia” , como chama todo mundo, é uma fonte  de diversão para todo tipo e gosto. Ele tem histórias que preencheriam um grande volume.
Para resumir a história,  uma das mais incríveis: exceto um dente para furar jabuticaba e mais uns dois que pouco valem, a boca dele é igual a própria cabeça: limpinha. E, de acordo com ele mesmo, os “danados” não foram arrancados por estarem estragados. Foram extraídos para “arrancar” um atestado que o arrancaria do buraco.
Ele trabalhava na extração de ouro, na Mina do Morro Velho.
Eu sempre acreditei nele!
Waltinho
Enviado por Waltinho em 26/07/2006
Código do texto: T202286
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Waltinho
Sabará - Minas Gerais - Brasil, 64 anos
16 textos (903 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:08)