Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto de um Bêbado ao Luar


Bebo! Não nego! Mas tenho os meus vários motivos...
Enquanto contemplo na beira do mar essa Lua cheia,
Lembro-me da minha vida, que não foi nada altaneira,
Cheia de tristezas e de perdas que vieram sem sobreaviso.

Depois de 20 anos numa empresa, perdi o meu emprego,
A razão que me apontaram foi a falta de capacitação,
Havia ficado ultrapassado, sem a dita cuja informação,
Fui posto pra fora, sem nenhuma demontração de apreço.

E depois de alguns meses desempregado,
Minha mulher pegou meus filhos e deixou-me,
Desapareceu, e a atitude de fato impressionou-me,
Fiquei sozinho com meus problemas, desorientado.

A partir daí, a minha esposa tornou-se a cachaça!
Ela é a minha fiel companheira, que nunca reclama,
É o liquido que me da força nova, acende-me a chama,
Chama da vida, mas também chama da morte espreitada.

Pune-me, pragueja-me, difama-me, pouco me importa,
Serás mais uma voz na minha coleção de opositores,
Que fingem querer meu bem, apenas pseudo-consoladores,
Os quais, na verdade, desejam ainda mais me empurrar na fossa.

Contemplo a Lua cheia, branca, limpa e romântica,
Abraçado com a minha companheira: a vermelha e preciosa garrafa,
Que tem o dom de me tirar desse mundo da tristeza e da trapaça,
E, enfim, beijo, semelhante a um galã de novela, a minha amada.




Todos os Direitos Reservados pelo Autor.
 
Fábio Pacheco
Enviado por Fábio Pacheco em 27/07/2006
Reeditado em 27/07/2006
Código do texto: T202855
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Pacheco
Recife - Pernambuco - Brasil
1095 textos (55930 leituras)
10 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:13)
Fábio Pacheco