Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Monólogo da despedida

Pode deixar os cacos, eu mesmo os recolho,
Já pensou se você me acerta na cabeça?

Não, não chore ao ver lágrimas em meus olhos,
Vai passar, você vai ver, tudo o tempo conserta.

Sim, leve esta foto, talvez você sinta saudade,
E quando menos você espera a beija em seu quarto.

Entendo, não podemos conter nossos sentimentos,
Pois são águas incontroláveis, eu entendo sim.

Ta bom, eu prometo, vou superar tudo isso,
Afinal, o que posso fazer senão tocar em frente, né?

Não, não me importo, pode levar todas as cartas de amor,
Até porque eu as tenho aqui em meu cérebro.

Não se preocupe, vou comprar um ótimo despertador,
Que te substitua nas manhãs para me acordar.

Preciso te falar uma coisa, você sabe que adoro brigadeiro,
De vez em quando vou te pedir que faça para mim, tá?

Certo, sei que você adora ouvir estes CDs, pode levar,
Mas se ouvir a faixa cinco deste vai ter uma recaída, heim?


Você sempre achou isso de mim, mas não é bem assim,
Na verdade eu sou deste jeito, prepotente às vezes, só isso.

Sim, vai aparecer alguém especial que me amará,
Alias, você sabe, acredito muito no amor.

Já que insiste, eu recito o verso de Vinicius:
“Que não seja eterno, posto que é chama,
Mas que seja infinito enquanto dure”.

Não vamos começar a chorar novamente,
Você não tem culpa, eu entendo, já disse!

Deixa que eu fecho a porta, seu novo amor te espera,
Está morrendo de ciúmes lá no carro, olha a cara dele.

Então tá, despedida sem beijo e abraço, tudo bem,
Adeus.
Dante Sulliver
Enviado por Dante Sulliver em 27/07/2006
Reeditado em 15/01/2007
Código do texto: T203537
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dante Sulliver
Gavião Peixoto - São Paulo - Brasil, 39 anos
20 textos (1168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:17)
Dante Sulliver