Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CANTO XUCRO

JORGE LIMA


Da xucra essência pampeana
Que carrego no meu peito
Brota o verso deste jeito
Neste estilo galponeiro
Com  voz de tropa e tropeiro
Nas rondas de campo largo
Pastorejando o sereno
Nas madrugadas do pago.


O meu canto abarbarado
Curtido a calor e frio
Mesclado de campo e rio
Campanha, missões, fronteira
Segue o rastro da boieira
Pingo encilhado e se vai
Pra bailar nas pulperias
Nas barrancas do Uruguai.


Meu canto canta as Missões
Igreja e cruz de Lorena
É espora de índio pavena
Enforquilhado nos bastos
Têm cheiro de terra e pasto
Potro xucro e redomão
E de oito baixo chorando
Junto ao fogo do galpão.


Meu canto fala em mangueira
Em rodeio e marcação
Espora, laço e cinchão
Ginete e índio campeiro
É trova, gaita e gaiteiro
Nos fandangos do rincão
Onde o verso faz costado
Pra um floreio de violão.


No entreveiro das raças
Nesta mistura de sangues
Meu canto xucro se expande
Por toda nossa querência
E na estrada da existência
Esta minha idéia não mude
Que eu possa trançar os versos
Lonqueados na juventude.


Por fim meu canto é mensagem
Aos mais velhos, pra mocidade e crianças
Será recuerdo e herança
Quando me for pro além
E talvez seja também
Declamado em algum galpão
Junto ao fogão fraterno
Da gaúcha tradição.
Jorge Lima
Enviado por Jorge Lima em 28/07/2006
Reeditado em 28/07/2006
Código do texto: T204239
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Lima
São Miguel das Missões - Rio Grande do Sul - Brasil, 60 anos
6 textos (651 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:43)