Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Literatura Desvairada

Há uma canção que pelo tempo dura
Uma antiga realidade, uma fruta madura
Esqueceram-se do que se passou, da luta travada
Dos Heróis leterários ou até de Passárgada
Os novos poetas não lembram da glória
Dos quadros grosseiros da nova história
De uma escola Nova sem rima sem traço
Dos "desvairados" com peito de aço
Um exemplo vive, o que o tempo guardou
Um livro de contos que do passado restou
Mas o ideal está de volta a batalha não foi ganha
Uma mistura imiscível uma coisa estranha
"A Burguesia fede, a Burguesia quer ficar rica
Enquanto houver burguesia, não haverá poesia"
Assim cantou o poeta, mas nada mudou
Parece-me que o protesto o alvo não alcançou
Não sabe-se quem é burgues ou poeta
Se tudo foi verdade ou uma lenda incompleta
Devemos recobrar a honra e vestir o NOVO
Uma nova antiga estilística, retrato do povo
O que diriam os Andrade hoje? Eu imagino
Que não passou de algo uníssono
"Me pai foi rei: Foi! - não foi! - foi!"
Assim cuaxou e cuaxa o sapo boi.
Maurício Freitas de Siqueira
Enviado por Maurício Freitas de Siqueira em 29/07/2006
Código do texto: T204634

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar o nome do autor). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Maurício Freitas de Siqueira
Salvador - Bahia - Brasil, 28 anos
13 textos (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:45)
Maurício Freitas de Siqueira