Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Doces Lembranças

       

Lembranças, o que são elas,
senão momentos únicos que alimentam o presente
Seis anos, eu ainda menino, cheio de descobertas pela frente,
sonhos, mas sonhos de momentos..
Lembro de um, que de fato ficou aqui gravado.
Tinha 6 anos, não mais, era dezembro, fomos passar as férias na casa
de meus avós, cidade do interior, sinal de coisas boas.
Cinco horas da manhã, não mais que isso,
lá fora pássaros já anunciavam o novo dia,
saltitando de galho em galho e eu ali,
num quarto escuro, casa de minha avó, lugar modesto, de chão batido,
paredes feitas a barro e madeira, um paraíso.
Silêncio, nenhuma voz, todos ainda dormiam cansados do dia anterior.
Havíamos saído para uma pescaria, onde todos menos eu,
conseguiram fisgar um peixe,mas eu, quase.
Desde pequenos sempre tivemos este espírito de pescador.
Ponho-me de pé, o medo do escuro e de saber ser o único ali
que despertara, me faz ficar atento a qualquer ruído.
Agora ouço barulho de chinelos se arrastando pelo chão batido,
descem o corredor em direção à cozinha, espero uns minutos,
e me arrisco àquela aventura descobrir quem era o dono daqueles passos.
Sigo de mansinho pelo corredor, chego à porta da cozinha,
e ali vejo um corpo franzino, lá pelos seus setenta e oito anos,
marcado pela vida difícil de pessoa humilde.
Arcados sobre o fogão a lenha,
seus braços o percorriam com tanta leveza, como a saber
de seus atalhos pois ali sobre ele, passaram-se anos de sua vida.
Ela se vira, me vê ali, olhos acesos, sorri,
acena pedindo que chegue mais perto e me beija,
pondo-me em seguida sentado à mesa,
e num instante surgiu em minha frente um café negro como o quarto,
de perfume até hoje inigualável.
Pão feito no forno de barro, obra de meu avô.
Ela senta-se à minha frente e passamos a nos deliciar com o banquete.
Permanecemos ali calados, só com troca de olhares.
Terminado o café, levanto-me e sigo em direção ao corredor
onde encontro minha mãe e meus irmãos que me questionam:
O que eu fazia ali naquela hora da manhã, porque não os chamei?
Nada respondo.
Viro-me, olho o rosto de minha avó e sorrio.
Ela me devolve o sorriso sem comentar
o que ocorrera ali momentos atrás.
Corro em direção ao quintal.....
Até hoje lembro desse momento, onde por quase uma hora,
sem pronunciar uma única palavra, fomos avó e neto,
mãe e filho, fomos, cumplicidade, amor, carinho, respeito.
Pena que não pudesse tê-la em minha vida por muito tempo.
Antes de completar 8 anos, ela já não mais estava ali.
Coisas da vida, hoje entendo.
Sei que jamais se perderão de meus pensamentos.
Doces lembranças... doces lembranças de minha avó...
Doces lembranças.

Manoel Denys
Enviado por Manoel Denys em 03/08/2006
Reeditado em 03/04/2008
Código do texto: T208358
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manoel Denys
São Paulo - São Paulo - Brasil
88 textos (8835 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:55)