Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIÁXU DI ARMA PENADA...

Diáxu di arma penada

Ali u assunto era u Zé

Morimbundu feitu genti
Qui morti levo di repenti
Leva rico, leva pobri
E aí si foi u Zé
A morti leva quem qué
Tinha uns caboblu bebendu
Aquela tar di abrideira
E aí bateu um ventu
Que arrepiô Nega Bêra
Viche Maria, cruz credu, ah
I tumém saravá
Diacho, gritô a moça
Du Zé num vô mais falá
Só qui tarde já era
Um vurto sujo surgiu
Os grito foram a vera
Uns palavrão...Qui pariu
Eh, genti tudu istrelada
Sô o Zé, arma penada
E peço ajuda a vóz micês
Pra modi mi socorrê
Amigus, sabem meu nomi
To mesmu é mortu di fomi
Joga cá naca de paum
Qui pegu é mesmu aqui nu chaum
I Tiaum falou intaum
Sai di retru cornu mansu
Vai otras banda assombrá
Pur causa da morti docê
I da puta da Maria
Qui acomudei lá im casa
Teu cachorru e tuas fia
Uma inté inbarrigô
Pois tenhu um fio qui é machu
Um outro vai sê dotô
Mais é perobu, diachu
I João compusturado
Dissi di propriedadi
Olha lá meu pessoá
Cabrita quiném Maria
Ta pra modi si incontrá
Da lista lembro di Arfredu
Qui dela guardu segredu
Lembru tumém de Thumaz
Aqueli homi capataz
E pur issu meus amigu
É qui condou du Zé
Qui nunca fico sabendu
Qui das fia num foi Pai
Tadinhu, mais qui mané
Era di um tar de Gumercindo
Qui cum Maria durmindo
Fez us rebentu di saia
Pra modi u Zé cria
Foi nas noiti di inverno
Daquelas qui u tar di Zé
Tava caçandu Priá
Para aí cum essa conversa
Pra modi eu mi expricá
To aqui pobre e cansadu
Cansadu de reza isperá
Reza pur mim meus amigu
Pra cantinho eu arcançá
Sinão mi acumodu aqui mesmu
E vô us pinguçu assombrá
E a prossição comiçô
Veia, meninu i sinhô
Até da casa das tia
Das amiga di Maria
Veio oração com fervô
Valei-mi Nossa Sinhora
Tamu aqui pedindo agora
Pra modi essa arma sofrida
Recebê luz e ir imbora
Na promessa tem 100 vela
Uma virgi e uma novena
A virgi a sinhora ispera
Pruqui a fia de Dona Nena
Nem nessi mundo naceu
I nem adianta chiá
Milagri é pobrema seu
I a Santa di lá du cér
Trovaum i faísca mandô
I cum a arma proziô
Ô Zé, pobri mininu
Magricelu iguar girinu
Cornu de profissão
Vô ti ajuda dessa veiz
Vô ti dá é nova vida
Nem nu inferno ou nu cér
Pruqui ninguém num ti quér
Vai incarná num cachorru
I vira-lata vai sê
Só assim dispois de mortu
Sobi aqui pru convercê
I foi assim qui aconteceu
U milagri do Cão Zé
Qui di fomi não mais sofreu
I naquela pequena ardeia
Di pinguçu i muié feia
U Zé já di corpu novu
Atendi por Busca-Pé
O Guardião
Enviado por O Guardião em 04/08/2006
Reeditado em 04/04/2007
Código do texto: T208857
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 51 anos
364 textos (34436 leituras)
13 áudios (2409 audições)
2 e-livros (1988 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:28)
O Guardião

Site do Escritor