Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Escorpião

Ateou-se o círculo de fogo,
Morno, ao longe inicialmente
De pequenas chamas iridescentes

Eu, pequeno artrópode atormentado,
Rodopio em torno de mim mesmo
Procuro saída e não encontro.

Vem a massa quente aproximando-se
Quente, sufocante ameaçando
Agora grandes chamas chamuscantes.

Em minha pele, o ressecamento
Em minha garganta, a secura insuportável
E dentro de mim ainda o anseio de fugir.

Fugir e não há saída
E a morte iminente a surgir
A certeza do crepúsculo e da noite

Não há próximo dia a raiar,
Nenhum vislumbre de água fresca
Nenhuma nota descrevendo uma melodia.

Pauta vazia, oca
Silêncio
Só o crepitar, o crepitar crescendo.

Giro novamente em torno de mim mesmo
A muralha de fogo intransponível
Sufoca-me, impede-me de respirar.

Não tolero esperar pela morte lenta,
Doloroso fim
Final que resolvo eu mesma definir.

Decido-me
Volto meu ferrão em direção às minhas costas
Cravo-o, enveneno-me, mato-me.
Izabel Martho
Enviado por Izabel Martho em 31/05/2005
Código do texto: T20982

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Izabel Martho
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
22 textos (2712 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 07:16)
Izabel Martho