Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Auto-retrato

Sem mais. Tal qual sou.

Um punhado de ilusões.
Uma mão cheia de fantasia.
Um balouçar
entre o tédio e a alegria,
entre o dever e a utopia,
entre a farsa e a euforia.
Com muito trambolhão
à mistura
e também
alguma sabedoria.

Sem mais. Tal qual sou.
Um monte de contradições.

Tudo isto revestido
Com um hábito de monge,
à Franciscana,
trazendo por baixo
camisa e gravata
à semana,
camisa sem gravata
em dia do Senhor,
chapéu de coco
com gente importante,
um ar distraído
com gente distante,
semblante soturno
em dia de dor,
fingindo um ar terno
em noite de amor.

Mil vezes tentei
Reagir.

Certo dia
peguei o touro pelos cornos,
dei um murro na mesa,
defini os contornos
das minhas contradições
e gritei:

Viva a liberdade
de querer o que não sei.

No dia seguinte
Acordei virado
para o mesmo lado,
com a mesa sem marcas
do murro que dei,
sem rasto no peito
dos cornos do touro,
buscando o tesouro
no trono do rei.

Vesti de novo
o hábito de monge,
sem nada por baixo.

E no meio do povo
que nada entendia
da minha alegria
cantei:

Viva o poeta em dia de dor.
Viva a gravata em noite de amor.
Viva o chapéu em dia de semana
e morra tanta gente imponente
vestida à Franciscana.
Manuel Paulo
Enviado por Manuel Paulo em 22/08/2006
Código do texto: T222880
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manuel Paulo
Portugal
29 textos (688 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:26)
Manuel Paulo